Você está aqui

Iêmen: luta intensa e bloqueio reduzem acesso a cuidados médicos

06/12/2017
Hospitais e instalações de saúde receberam dezenas de feridos por ataques nos últimos dias
Iêmen: luta intensa e bloqueio reduzem acesso a cuidados médicos

Foto: MSF

Sana'a / Hajjah, 6 de dezembro de 2017 - Uma semana de violência pesada juntamente a um bloqueio incapacitante, que impede abastecimentos vitais no país, mostra os novos níveis de desrespeito das partes em guerra pela população civil, por instalações médicas e pacientes, diz a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF).

A luta intensa nas ruas e os ataques aéreos renovados desde 29 de novembro paralisaram Sana'a, com civis presos em suas casas por vários dias, além de terem deixado os feridos sem acesso seguro a assistência médica. As equipes médicas que usam ambulâncias para tentar resgatar os feridos foram vítimas de incêndio. Centenas de pessoas foram assassinadas. Mesmo sem ter recebido as garantias necessárias das partes em guerra para se locomover dentro de Sana'a, MSF conseguiu fazer doações de suprimentos médicos para hospitais da cidade.

Os confrontos se espalharam para outras partes do país, como as províncias de Hajjah, Amran e Ibb. No dia 2 de dezembro, MSF recebeu 28 pacientes feridos de guerra em seus dois hospitais em Khamer e Houth. Nas primeiras horas de 4 de dezembro, um ataque aéreo danificou o hospital Al Gamhouri, apoiado em MSF na cidade de Hajjah. A sala de emergência, o centro cirúrgico e a unidade de terapia intensiva foram danificados e 12 pacientes de emergência foram evacuados. Apesar dos danos, o hospital Al Gamhouri recebeu 22 vítimas dos ataques aéreos em Hajjah pouco depois. Al Gamhouri também recebeu um total de 38 pacientes feridos de guerra entre os dias 2 e 3 de dezembro.

"Os serviços de saúde foram atacados repetidamente ao longo do conflito. Mais uma vez, as partes em conflito não estão tomando medidas para poupar instalações médicas, colocando em risco a vida dos pacientes e da equipe médica ", diz Steve Purbrick, coordenador de projeto de MSF em Hajjah. "Os civis devem poder fugir ou procurar cuidados médicos, as ambulâncias devem ter permissão para atingir os feridos e os hospitais devem ser protegidos".

Os confrontos acontecem enquanto o Iêmen ainda se recupera lentamente de um bloqueio incapacitante sobre importações comerciais e humanitárias, imposto pela coalizão liderada pela Arábia Saudita no dia 6 de novembro. Embora alguns vôos e navios humanitários tenham sido autorizados a entrar no Iêmen novamente, o bloqueio ainda está em vigor para as importações comerciais de bens, incluindo alimentos e combustíveis. Para os iemenitas, isso significou uma tensão adicional e significativa no acesso a bens básicos, remédios e suprimentos médicos. Desde a escalada do conflito e da imposição do bloqueio, os preços dos combustíveis aumentaram mais de 200%, e os preços dos itens básicos e diários, como água e alimentos, também aumentaram dramaticamente. Na cidade de Saada, os preços dos alimentos aumentaram cerca de 6,15% entre outubro e novembro.

"O bloqueio e os combates recentes tiveram um efeito devastador na missão médica no Iêmen", diz Djoen Besselink, coordenador-geral de MSF. "O aumento do custo do combustível, por exemplo, significa que as pessoas devem pagar mais pelo transporte para os hospitais, ou escolher entre ir ao hospital e comprar alimentos para o resto de suas famílias. Os hospitais estão lutando para pagar os custos do combustível, o que pode levar alguns dos poucos hospitais funcionais a fechar ".

Besselink acrescenta: "A destruição e o desmantelamento dos serviços de saúde do Iêmen foram uma característica do conflito nos últimos dois anos e meio. O bloqueio contribui significativamente para isso e deve ser revogado imediatamente. Navios comerciais e aviões devem ser autorizados em portos de entrada no norte para evitar mais sofrimento desnecessário ".