Você está aqui

Galcayo: uma cidade dividida por rivalidade entre clãs

14/08/2007
MSF oferece cuidados de saúde na cidade somali desde 1997, mas onda de violência fez projetos serem suspendidos mais de uma vez

A cidade de Galcayo está situada na região Mudug, na Somália Central. A rivalidade entre dois clãs criou uma 'linha verde' invisível que divide a cidade em Norte Galcayo e Sul Galcayo. As pessoas têm dificuldade em cruzar essa linha divisória, apesar de recentemente isso ter se tornado um pouco mais fácil, particularmente para mulheres e crianças.

MSF começou a trabalhar no hospital de Norte Galcayo em 1997, atendendo milhares de pessoas que vivem nos arredores da cidade.

Em 2003, MSF também começou a trabalhar no hospital de Sul Galcayo, oferecendo serviços para uma população que não tinha acesso aos cuidados de saúde oferecidos no norte.

Infelizmente, no fim de junho de 2006, MSF teve que suspender seu suporte ao hospital do norte por ter uma opinião diferente das autoridades locais sobre a qualidade dos serviços oferecidos e da equipe. No entanto, o tratamento de tuberculose (TB) continua a ser oferecido na unidade e MSF consegue garantir atendimento para 500 pacientes por ano.

O hospital de Sul Galcayo é um dos poucos centros de saúde situados na região central-sul da Somália a oferecer cirurgias, uma ação emergencial essencial para salvar vidas em casos obstétricos e para muitos feridos devido à onda de violência. Mais de 500 vítimas da violência são tratadas na unidade por ano. MSF oferece consultas e internação, tratamento materno e pediátrico para cerca de 3.500 pacientes por mês. A equipe é capaz de responder a surtos como de cólera, sarampo ou meningite.

Em 2006, MSF tratou 12.530 pacientes em Norte Galcayo. No Sul, a equipe de MSF realizou 21.424 consultas, 376 partos e 629 crianças gravemente desnutridas entraram para o programa de alimentação.

Dez funcionários internacionais e 150 somalis administram o projeto. Durante o ano passado, as atividades do hospital foram expandidas, apesar das equipes internacionais terem de ser constantemente evacuadas.

Quando o projeto de Norte Galcayo foi fechado, a equipe internacional de MSF teve que deixar a região por quatro meses. Durante esse período, a equipe somali continuou a trabalhar no hospital de Sul Galcayo.

Desde janeiro deste ano, a equipe internacional está de volta ao terreno.

Leia mais sobre