Você está aqui

Etiópia: Médicos Sem Fronteiras cuida de 6,5 mil crianças gravemente desnutridas

26/06/2008
Desde o início de maio, a organização aumenta gradativamente suas atividades para responder à alarmante situação nutricional

As equipes de Médicos Sem Fronteiras (MSF) em Oromiya e nas Regiões Populares Nacionais e Nações do Sul (SNNPR, na sigla em inglês) da Etiópia trataram cerca de 6,5 mil crianças gravemente desnutridas. Desde o dia 13 de maio, as atividades de MSF tem aumentado gradativamente para responder à alarmente situação nutricional observada nas áreas nas quais MSF trabalha.

Região de Oromiya

Três centros de estabilização montados em Shashemane, Senbete Shinquille e Ropi oferecem atendimento médico 24 horas por dia para as crianças gravemente desnutridas que sofrem de complicações como malária ou pneumonia. Até agora, 957 foram admitidas nesses três centros da região de Oromiya, dentre os quais 314 ainda recebem atenção médica.

As crianças que não apresentam complicações não são internadas e entram para os "programas terapêuticos por consultas" (OTPs, na sigla em inglês). Eles recebem alimentos terapêutico semanalmente, mas podem ficar em casa com suas famílias. As crianças voltam aos OTPs toda semana para serem acompanhadas pela equipe médica de MSF e podem ser transferidas para os centros de estabilização caso seja necessário. Ao todo, 2.442 crianças passaram pelos 14 OTPs que funcionam na região de Oromiya.

Região do SNNP

No dia 2 de junho, as equipes de MSF também começaram a trabalhar na zona de Kambata, vizinha à região SNNP. Um centro de estabilização foi montado em Shinshicho, no distrito de Kachabira. Ao total, 237 crianças foram admitidas no centro e 117 ainda estão em tratamento. Nove OTPs também foram montados – quatro no distrito de Kachabira, três no distrito de Tambaro e dois no distrito de Hadero. Mais de 2.778 crianças gravemente desnutridas entraram nesses programas por consultas e estão recebendo alimentos terapêuticos.

Expansão das atividades

As equipes de MSF continuam a realizar levantamentos para indentificar as áreas mais atingidas e responder onde for necessário. Eles vão continuar a expandir suas atividades através da implementação de mais OTPs em Oromiya e na região SNNPR.

Após os levantamentos realizados em Arsi Negele, na região Oromiya, MSF vai implementar outro OTP. Nessa áerea, MSF descobriu indícios de desnutrição e problemas de segurança alimentar, cujo contexto atual tende a piorar.

Outra equipe de MSF realizou um levantamento na área de Wolayita, SNNPR. Os primeiros dados recolhidos no distrito de Kindo Didaye são alarmantes. As equipes examinaram 494 crianças com menos de cinco anos em quatro vilarejos e encontraram uma média de 15% gravemente desnutridos e 27% sob o risco de desnutrição severa. Alguns adolescentes e adultos desnutridos também foram identificados. Nesta área, não há presença de organizações humanitárias e faltam alimentos, devido à seca e à alta dos preços. Há seis meses não ocorre distribuição de comida. Além da desnutrição, malária é a doença mais freqüente. Por isso, MSF decidiu implementar atividades focadas na desnutrição, malária e consultas pediátricas.

Região Somali
No leste da região somali, MSF também realiza atividades médicas, com um componente nutricional. Em Wardher, atualmente há 200 crianças participando dos programas nos OTPs. Enquanto esse número é relativamente baixo em comparação às outras áreas em que MSF trabalha, a situação nutricional preocupa. Nesse caso, MSF continua atenta e pronta para responder às mudanças. Em Deghabur, 795 crianças desnutridas – incluindo 253 com a forma mais grave – estão sendo acompanhados no programa de MSF.

MSF trabalhou na Etiópia desde 1984. Além da emergência nutricional, MSF mantém programas de longa duração em várias regiões do país. Na região do leste da Somália, MSF trata pacientes que sofrem de tuberculose e oferece acesso a cuidados de saúde primárias em Cherrati. MSF também administra um programa de saúde primária, em Deghabur e Wardher, incluindo um componente nutricional. No norte do país, MSF trabalha em Humera, na região Tigray, oferecendo atendimento e tratamento para pessoas com kalazar. Mais além, em Abdurafi, região Amhara, MSF mantém um programa de prevenção, atendimento e tratamento de kalazar e HIV/AIDS.