Você está aqui

Etiópia: cidades de Tigré se enchem de deslocados que fogem da insegurança e precisam de ajuda

01/04/2021
Sem uma resposta humanitária adequada, as pessoas estão se sentindo abandonadas pela comunidade internacional

Igor Barbero

Nas últimas semanas, dezenas de milhares de deslocados chegaram às cidades da região atingida pelo conflito de Tigré, no norte da Etiópia. Eles se juntam àqueles que se deslocaram anteriormente e hoje habitam escolas e prédios vazios, em más condições e sem serviços básicos. Muitos já foram deslocados várias vezes desde novembro.

O telhado do prédio de cinco andares da escola Tsegay Berhe, na cidade de Adwa, está aberto para o céu azul sem nuvens. Durante os primeiros dias do conflito nesta região do norte da Etiópia, o prédio foi atingido por vários foguetes. Duas das salas de aula estão cheias de restos de computadores, monitores, cadeiras e livros destruídos. As salas de aula restantes estavam intactas, mas muitas vezes os bancos de madeira foram empilhados nos cantos ou levados para fora, enquanto fragmentos de aulas escritos com giz ainda são visíveis nos quadros negros.

No portão da escola há muito movimento e centenas de vozes criam um grande barulho. Um grupo de administradores está ocupado registrando nomes em grandes cadernos, mas não são nomes de alunos. A escola está fechada até novo aviso.

Hoje, escolas primárias e secundárias em vilas e cidades em toda a região de Tigré, como Adwa, Axum e Shire, são o epicentro de uma enorme crise de deslocados, com centenas de milhares de pessoas - embora ninguém saiba o número real. Nas últimas semanas, esta crise tomou uma dimensão desesperadora, com dezenas de milhares de pessoas se mudando para as cidades em busca de segurança e assistência humanitária, à medida que os recursos se esgotam nas comunidades locais e nas áreas rurais mais remotas.

Deslocamento contínuo

Ken Alew Gebrekristos, 38, um metalúrgico da cidade de Edaga Arbi, no centro de Tigrayan, cerca de 50 km ao sudeste de Adwa, chegou aqui na segunda semana de março. Durante o dia, sua esposa e dois filhos mais velhos vão à cidade em busca de ajuda, enquanto ele permanece na escola, atento a novas informações que possam melhorar sua situação. "Até agora, recebemos um pouco de injera (pão sem fermento) e algumas camisetas”, diz ele. Durante a noite, eles dormem no chão duro de uma das salas de aula.

Adwa é apenas o destino mais recente para esta família de seis pessoas. Nos primeiros dias da crise, eles viram sua cidade natal se encher de pessoas fugindo da violência em outros lugares e, mais tarde, testemunharam o ataque de soldados eritreus.

Em novembro, a família foi forçada a fugir para as montanhas, levando apenas suas roupas e carregando os filhos menores nos ombros. No caminho, eles passaram por cadáveres no chão. Eles continuaram caminhando, pedindo abrigo e comida aos habitantes locais ao longo do caminho.

“Pegávamos água no rio para beber”, diz Ken. “Alguns dias não comíamos nada. Uma menina que foi deslocada conosco deu à luz, sem nenhum médico por perto. Tínhamos apenas um lençol para oferecer a eles, então fizemos uma fogueira para aquecer o bebê."

Eles tentaram voltar para sua casa destruída, mas a sensação de insegurança os impediu de permanecer lá.
Com lágrimas nos olhos e voz embargada, Ken diz: “Agora não tenho planos, não tenho ideia de como será meu futuro próximo. Não posso voltar para casa - como poderia voltar sem garantias? Eu me sinto mais seguro aqui cercado por outras pessoas."

Dormindo no chão

O mais visível nas escolas de Adwa são as mulheres. Muitas delas têm bebês enrolados em longos lenços nas costas, algumas se ajoelham no chão torrando grãos de café, outras carregam fardos de lenha. Grupos de homens discutem acaloradamente e os jovens dormem à sombra de pequenas árvores, refugiando-se do sol escaldante da estação seca.

As salas das escolas são escassamente mobiliadas; a maioria contém alguns baldes, alguns sacos de comida e alguns lençóis plásticos para dormir. À noite, as salas ficam lotadas com dezenas de pessoas amontoadas umas ao lado das outras no chão. Os que não tiveram sorte dormem fora do prédio, na grama ou no meio do caminho.

O tempo parece ter ficado parado. Ninguém sabe até quando ficarão aqui. Ninguém esperava que algo assim acontecesse. Mesmo aqueles que se lembram da guerra na fronteira entre a Etiópia e a Eritreia, que atingiu o auge no final dos anos 90, não podem ver nenhuma comparação com o que está acontecendo na Etiópia hoje.

A 30 minutos de carro de Adwa está a histórica cidade universitária de Axum. Na periferia, cercada por campos e canteiros de obras paralisadas por tempo indeterminado, fica a escola da Bacia, primeiro destino da maioria dos recém-chegados à cidade desde o início do conflito. As pessoas que ficam aqui dizem que o movimento de pessoas é constante, mas os ingressos se intensificaram desde o início de março. Existem atualmente 12 locais como este em Axum, que abrigam vários milhares de pessoas deslocadas.

“Já estou aqui há 42 dias”, disse Bayesh Danyo, 25, mãe de dois filhos pequenos, incluindo um menino de 10 meses. Como muitas outras mulheres aqui, Bayesh não sabe o paradeiro de seu marido e não tem contato com ele há alguns meses, sendo que alguns deles provavelmente agora são refugiados no Sudão.

Ela recebeu ajuda com alimentos, mas está preocupada porque seus suprimentos estão acabando. “No início recebi cinco litros de óleo de cozinha, 30 kg de farinha e 50 kg de trigo. Tudo isso está prestes a acabar. As poucas distribuições de alimentos que acontecem nem sempre são justas. Tento compartilhar tudo o que tenho com outros recém-chegados, especialmente mulheres grávidas."

Ela acrescenta que a pouca água que recebem é usada principalmente para beber, com as crianças sempre em primeiro lugar. “Não tivemos a chance de nos lavarmos desde que chegamos”, diz Bayesh. "Meu bebê fica doente por causa das difíceis condições em que temos que dormir."

Forçados a deixar Tigré ocidental

Bayesh vem de Humera, ao oeste de Tigré, uma cidade na junção da Etiópia, da Eritreia e do Sudão. Muitos dos deslocados nas áreas central e oriental de Tigré vêm do oeste. Habitantes de cidades como Humera, Dansha e Mai Kadra afirmam ter sido pressionados pelas milícias e grupos armados a deixar suas cidades natais e, às vezes, terem sido colocados à força em ônibus que os largaram do outro lado do rio Tekeze.

Outros dizem que vivenciaram e testemunharam violência de vários tipos que tornaram inevitável a decisão de partir. Embora as rotas de deslocamento variem e sigam em várias direções, dependendo dos laços familiares ou da capacidade de pagar pelo transporte, Shire costuma ser a primeira cidade procurada pelas pessoas que fogem do oeste de Tigré. Mas Shire tem um número muito alto de pessoas deslocadas e está se tornando cada vez mais lotada, então muitas pessoas estão optando por continuar suas jornadas.

Assentamentos informais sem serviços básicos

“Vimos deslocamentos acontecendo desde o início da crise, mas as pessoas não estavam se deslocando em um número tão grande e aqueles que tinham que deixar suas casas costumavam ser apoiados pelas comunidades locais, ficando principalmente em casas de parentes ou de pessoas que conheciam e compartilhando recursos com eles”, diz Esperanza Santos, coordenadora de emergência de MSF em Tigré.

“Recentemente isso mudou e estamos vendo uma quantidade maior de pessoas chegando, principalmente em Shire, Adwa e Axum”, diz Esperanza. “A maioria está se instalando em locais informais que não têm capacidade para hospedar esse número de pessoas e carecem de serviços básicos. É uma situação extremamente preocupante porque não estamos vendo uma resposta adequada da comunidade humanitária para atender às necessidades das pessoas de água, saneamento, alimentos ou serviços médicos."

Pessoas deslocadas também estão chegando a cidades menores como Abi Adi, a duas horas de carro a oeste de Mekele, a capital de Tigré, localizada em uma área onde os combates são frequentes e onde alguns pontos estão sob controle da oposição armada.

Worku, 22, dono de uma pequena loja de roupas em Shire, chegou a Abi Adi no dia 1º de março. Em novembro, ele se mudou de uma área para outra no oeste de Tigré, mas, como um jovem rapaz, ele se sentiu inseguro e decidiu se aproximar de um parente distante que vivia em uma vila não muito longe de Abi Adi. Ele também tinha ouvido falar que havia ajuda disponível na cidade.

“Finalmente vim para a Abi Adi porque há mais presença de organizações humanitárias”, diz ele. “Nos últimos meses, tive que implorar às pessoas locais. No máximo, recebi um injera em cada dia. Preciso de comida, roupas, água, abrigo...  Em todos os lugares que estive, dormi no chão. Ainda estou bem em relação à saúde, mas vi outras pessoas ficarem doentes e morrerem."

Sentada perto está Leterbrahn, uma jovem que deixou Humera há quatro meses e agora divide uma sala de 8 metros quadrados na escola primária Abi Adi com quase 20 outras pessoas, incluindo suas duas filhas pequenas. Leterbrahn diz que perdeu quase tudo que tinha.

“Só tenho as roupas que você vê aqui”, diz ela. “Não consigo nem cozinhar para mim, porque não tenho utensílios. Eu nem tenho um cobertor. Em um certo momento, recebi quatro lençóis da população local, mas os dei às mulheres grávidas. Nos sentimos esquecidos pela comunidade internacional e pelo governo etíope. Ninguém chega até nós. Mesmo depois de tanto tempo, não temos nada."

As equipes de MSF estão reabilitando várias unidades de saúde em toda a região e fornecendo remédios e outros suprimentos médicos, além de apoio médico prático em salas de emergência, maternidades e departamentos ambulatoriais. As equipes de MSF também administram clínicas móveis em cidades e vilarejos rurais, onde o sistema de saúde não está funcionando, e em locais informais onde pessoas deslocadas estão alojadas. No entanto, ainda existem áreas rurais em Tigré que nem MSF, nem qualquer outra organização, foi capaz de alcançar; MSF só pode presumir que as pessoas que vivem nessas áreas também não têm acesso a cuidados de saúde. Em resposta a essa onda de deslocados internos recém-chegados, MSF também está se concentrando nas atividades de água e saneamento em algumas das principais cidades.



 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar