Você está aqui

Esperança de retornar

23/10/2018
A obstetriz de MSF Christine Tasnier conta seu trabalho no campo de refugiados de Kule na Etiópia
Esperança de retornar

Foto: MSF

Há quase um ano venho trabalhando no meio de um grande campo de refugiados na Etiópia, na fronteira com o Sudão do Sul. MSF mantém aqui um centro de saúde com 120 leitos. Eu vejo muito sofrimento e necessidades aqui. Mas, como sou obstetriz, também vejo muita alegria: em qualquer parte do mundo, quando as crianças nascem é sempre um momento especial.

54 mil pessoas em um campo de refugiados

O campo de refugiados em Kule é o lar de 54 mil pessoas – para a maioria delas, há quase quatro anos. Elas fugiram para cá por causa da guerra civil no Sudão do Sul. As pessoas construíram cabanas simples feitas de madeira, plástico e argila. Elas têm no máximo quatro metros quadrados de espaço. Os refugiados não têm mais que alguns tapetes para dormir.

Quando você caminha pelas ruas lamacentas do campo, você nota pequenos barracos de ferro corroído nas laterais. Se você abrir a porta, encontrará uma placa de piso com duas pegadas e um buraco – uma latrina muito simples. Há também locais com bombas de água que precisam ser compartilhadas por centenas de pessoas. Infelizmente, de tempos em tempos o sistema de água para de funcionar. Então as pessoas têm que buscar a água nas poças ou em um pântano adjacente. Nossos conselheiros de saúde dizem às pessoas que elas não podem beber essa água, ou que pelo menos têm que fervê-la. Mas cada gota é preciosa. Há sempre dilemas existenciais para os habitantes daqui do campo, que eu, como britânica, nunca vivenciei.

Recentemente, um colega da equipe móvel me contou que encontrou uma mulher na cerca de sua cabana. A mulher tinha uma ferida inflamada. Ela perguntou se deveria ir ao nosso centro de saúde. "Definitivamente", disse meu colega. Mas a mulher hesitou. Neste dia também foi distribuição de alimentos, que ela não pode perder. Esta comida é praticamente a única forma para os refugiados sobreviverem. Então, ela não queria vir até o dia seguinte – apesar de muita dor. Mas ela ainda tinha uma preocupação: ela seria transferida para o hospital maior fora do acampamento? Porque nesse caso seus filhos seriam deixados sozinhos. Meu colega não podia dar essa resposta. Esperamos que a mulher tenha coragem de vir.

Noites de esperança pela paz

Há também uma igreja no campo onde frequentemente tenho ido com meus colegas tradutores, que vivem como refugiados no campo. As cerimônias são sempre muito longas. Uma vez, perguntei por que é assim. "Rezamos pela paz no Sudão do Sul. É por isso que temos que rezar por muito tempo", disseram as mulheres. À noite, quando estou deitada em minha cama, muitas vezes ouço músicas e aplausos. A notícia de que havia um novo acordo de paz no Sudão do Sul se espalhou. As pessoas estão muito ansiosas para voltar para casa, mas até agora, todas as vezes suas esperanças foram em vão.

Em tais noites de esperança, um bebê às vezes é chamado de "esperança" ou "paz". É costume no Sudão do Sul dar o nome ao seu filho de acordo com as circunstâncias do nascimento. Uma das nossas tradutoras se chama Mosquito porque havia muitos mosquitos voando na noite em que ela nasceu. Eu gosto muito dela, é uma pessoa incrivelmente feliz e calorosa. Algum tempo atrás, ela me disse orgulhosamente que sua sobrinha está grávida. E ficou claro que Nyadak deveria realizar o parto conosco.

Um nascimento e uma boa decisão

Recentemente, Nyadak veio para nós em trabalho de parto. No começo, tudo correu bem, mas o parto de Nyadak não estava progredindo. Eu verifiquei sua barriga e senti que o bebê não estava virado corretamente. Nós tentamos diferentes posições, mas infelizmente não funcionou. Finalmente, decidimos enviar Nyadak para o hospital em Gambella, que também é apoiado por nós. Lá, nossos colegas podem fazer uma cesariana de emergência. O caminho para Gambella leva uma hora e meia por uma estrada esburacada. Felizmente, tudo correu bem e a equipe do hospital conseguiu fazer o parto do bebê com saúde.

Nyadak voltou à nossa maternidade um dia depois. Mosquito e eu a cumprimentamos. A alegria do encontro foi ótima. Em minha felicidade, no entanto, silenciosamente me perguntei o que teria acontecido se MSF não estivesse aqui. Sem ajuda médica, Nyadak e sua filha, a quem ela deu o nome de Nyamire, provavelmente teriam morrido. Foi uma boa decisão transferi-la para o hospital a tempo. Aliás, Nyamire significa "decisão". Sua mãe disse que, apesar de todas as dificuldades, o bebê decidiu viver. Um nome muito apropriado na minha opinião.

A vida aqui em Kule é cheia de dilemas existenciais e necessidades. Ao mesmo tempo, sinto muito calor humano. Ninguém é deixado sozinho, como durante um parto que eu não consigo esquecer, de uma criança que infelizmente nasceu morta. O coração do bebê já havia parado de bater no útero. Depois que a criança nasceu, a mãe estava sangrando muito. A atmosfera na maternidade estava muito tensa. Todos sentiram que se tratava de vida ou morte. Eu tinha treinado recentemente com a minha equipe de obstetrizes etíopes para parar o sangramento.

A equipe tomou todas as medidas que aprendeu: drenar a bexiga com um cateter, dar medicação para estancar a hemorragia e, finalmente, eu estava mantendo a ferida fechada. Os outros pacientes da enfermaria começaram a rezar e cantar. Depois do que pareceu uma eternidade, o sangramento finalmente parou. Eu estava fisicamente exausta, mas ao mesmo tempo feliz e agitada. Minha equipe e eu conseguimos juntos. Nós nos abraçamos com alegria.

Em geral, estou sempre impressionada com a felicidade e a energia positiva das pessoas aqui, mesmo com todas as dificuldades. Sua atitude básica é sempre: “venha o que vier. Tudo bem.“ Estou determinada a levar essa lição quando voltar para casa. Há tantas coisas que nos estressam na vida cotidiana, embora sejam completamente desnecessárias. Vou tentar ter mais serenidade na minha vida cotidiana. Primeiramente, decidi estender meu tempo de um ano para dois anos com MSF. O trabalho é muito gratificante para mim.

É enriquecedor trabalhar com colegas de muitos países diferentes. Passei a apreciar não apenas os colegas do campo de refugiados, mas também os colegas etíopes e minha equipe internacional. Todos nós compartilhamos o desejo de fornecer atendimento médico de emergência para quem, de outra forma, não receberia atendimento. É importante para nós que MSF não pergunte sobre origem, religião ou crenças políticas.

Não os esqueça

As pessoas aqui me agradecem a todo momento por estar com elas e não esquecê-las. A vida no campo depende da ajuda humanitária. Assim que possível, as pessoas retornarão ao Sudão do Sul e tocarão sua vida de forma autônoma. Isso se aplica aqui, assim como em outras regiões em crise no mundo todo. Em muitos lugares, nossas equipes estão onde as pessoas não teriam ajuda médica – como aqui em Kule.
 

Leia mais sobre