Você está aqui

Epidemia de cólera reaparece no Haiti

03/06/2010
Em maio, quase 5 mil pessoas morreram contaminadas, de um total de 300 mil casos

Um grande aumento no número de casos foi verificado na capital e vários surtos foram reportados em outras regiões do país. Apesar de a epidemia ter começado a diminuir em fevereiro, ela ainda não acabou. Desde meados de maio, as equipes de Médicos Sem Fronteiras (MSF) vem registrando movimento maior no Centros de Tratamento de Cólera (CTCs) da organização, em Porto Príncipe.

Médicos Sem Fronteiras teve de reabrir os CTCs emergenciais para evitar que os centros de tratamento de Carrefour, Delmas, Martissant, Cité Soleil e Drouillard ficassem sobrecarregados. "Em maio, MSF tratou quase 2 mil pacientes em apenas uma semana na capital. Também recebemos um pedido para atuarmos em outras áreas no interior do país. O trabalho precisa ser dividido e coordenado para podermos aumentar a capacidade de tratamento de cólera no Haiti. Muitas instalações públicas são inadequadas", disse o coordenador geral do projeto de MSF, Romain Gitenet.

É fundamental que as autoridades e seus parceiros humanitários se mobilizem para impedir o avanço da doença, fortalecendo o sistema de vigilância nacional e os centros de tratamento. Aumentos imediatos na higiene, nas condições sanitárias e nos estoques de água potável precisam ser prioridade nacional, para proteger os mais vulneráveis.

Para Gitenet,ficar alerta é a melhor proteção. "As pessoas devem ser muito rigorosas em relação à higiene e à água que bebem. Assim que os sintomas de cólera, como vômitos ou diarréia, começarem a se manifestar é crucial que elas procurem os centros de tratamento. A cólera é tratável, mas sem cuidados médicos, ele mata rapidamente".

No final de maio, quase cinco mil pessoas morreram de cólera, de um total de 300 mil casos registrados no país. Três por cento da população do país contraiu a doença.

MSF tratou cerca de 130 mil haitianos com cólera (43% de todos os casos). Assim que a primeira onda de contaminados foi confirmada, em outubro de 2010, equipes de MSF se estabeleceram em nove dos dez departamentos do Haiti para dar apoio aos centros de saúde locais.