Você está aqui

Epidemia de cólera na RDC ocasiona alta mortalidade

13/09/2002
Durante o mês de agosto, mais de 2500 casos foram detectados, e mais de 100 pacientes morreram. A cólera está se alastrando rapidamente, em particular na zona de saúde de Kikondja.

A província de Katanga, no sul da República Democrática do Congo (RDC), foi atingida por uma severa epidemia de cólera. Durante o mês de agosto, mais de 2500 casos foram detectados, e mais de 100 pacientes morreram. A cólera está se alastrando rapidamente, em particular na zona de saúde de Kikondja. Esta região já estava no centro de uma epidemia de cólera que aconteceu anteriormente, no início deste ano.

“A cólera é uma doença típica de pessoas que vivem na pobreza”, explica Luc Nicolas, coordenador operacional de Médicos Sem Fronteiras (MSF). “As pessoas em Kikondja estão enfraquecidas porque elas não têm dinheiro para pagar por uma dieta balanceada e por cuidados de saúde. A cólera é endêmica, o que significa que há casos da doença durante todo o ano. Porém, às vezes, a população é confrontada com um surto epidêmico, que acontece principalmente devido à falta de acesso ao sistema de saúde. Muitas pessoas doentes não procuram o sistema de saúde porque não podem pagar pelo tratamento ou porque não há medicamentos disponíveis”.

A cólera é uma infecção intestinal caracterizada por uma diarréia forte e líquida, que pode ocasionar, rapidamente, uma severa desidratação e morte, se não for imediatamente tratada. Equipes de emergência de Kinshasa e Lubumbashi foram imediatamente enviadas ao local, com suprimentos médicos, após os primeiros relatos, para dar apoio às estruturas de saúde existentes. Um avião com 5 toneladas de suprimentos – materiais de re-hidratação, tais como equipos de soro, equipamento sanitário... – foi enviado de Lubumbashi, enquanto a equipe de saúde está sendo reforçada com três médicos locais. De Bruxelas, MSF também enviará dois enfermeiros e um logístico especializado em cólera para a região.

“Nós estamos principalmente preocupados com a velocidade com que a epidemia de cólera está se alastrando”, continua Luc Nicolas. “Nestas últimas semanas, o número de casos em Kinondja aumentou de 81 para 627 – e nós ainda não vimos o pico da epidemia. Também, o índice de mortalidade está muito alto devido à falta de suprimentos no local para lidar com o crescimento repentino dos pacientes de cólera. Um em cada quatro ou cinco pacientes morre por causa da doença. Em Kinondja, de 627, 157 já morreram”.

Informações recentes indicam que o nordeste da RDC, provavelmente, também enfrenta uma epidemia de cólera. Na zona de saúde de Lubutu (na província de Maniema), 97 pacientes foram detectados na semana passada, dos quais 27 faleceram. Mas MSF suspeita que os números reais sejam muito mais altos. A equipe identificou a origem da epidemia nesta região na zona de saúde vizinha de Walikale (na província do Norte Kivu), uma região muito instável onde diversos grupos armados estão ativos.