Você está aqui

Entrada de médicos e suprimentos hospitalares é urgente

25/02/2011
Primeira equipe de Médicos Sem Fronteiras chega a Benghaz , mais médicos e suprimentos estão a caminho

Enquanto a equipe de Médicos Sem Fronteiras (MSF) que conseguiu entrar na Líbia tenta chegar aos serviços de saúde que estão tendo que lidar com um grande número de feridos, outros profissionais da organização permanecem impedidos de entrar no país. Materiais e suprimentos médicos também foram barrados.  

Desde o início dos confrontos violentos na Líbia em 17 de fevereiro, MSF está tentando entrar no país de todas as maneiras possíveis, por ar e por terra.  

Apesar da necessidade urgente de atendimento médico na Líbia, uma equipe de MSF levando suprimentos médicos, incluindo kits para o tratamento de ferimentos de guerra, tenta entrar pela fronteira com a Tunísia há dois dias. Outro grupo conseguiu a chegar de avião a Trípoli, mas sua entrada foi negada e ele teve que voltar.

"Todas as informações que recebemos apontam para uma situação crítica em termos de cuidados médicos para os feridos", disse Arjan Hehenkamp, diretor de operações de MSF. "Precisamos trabalhar ao lado de profissionais de saúde da Líbia para cuidar das pessoas feridas nos violentos conflitos dos últimos dias. É inaceitável que os profissionais médicos e os suprimentos sejam mantidos longe das pessoas que precisam." 

Uma equipe de seis pessoas de MSF conseguiu chegar ontem (24/2) à cidade de Benghazi (Líbia), através do Egito, com um caminhão cheio de materiais hospitalares. Agora, o grupo tenta ir até as áreas onde, segundo relatos dos profissionais das instalações médicas locais, há um grande número de feridos e sérios problemas de falta de suprimentos. 

Viajar pelas estradas até a capital do país, Trípoli, onde se estima que as necessidades médicas sejam imensas, é tido como algo quase impossível por enquanto, devido à insegurança. A organização médico-humanitária MSF enfatiza que a integridade das instalações e das equipes médicas, bem como dos pacientes, precisam ser respeitadas. "Deve ser dada prioridade absoluta a médicos e suprimentos de saúde, para garantir a tão necessária e urgente assistência médica, e para ajudar as unidades médicas que estão lutando para lidar com o fluxo de feridos" disse Hehenkamp. 

MSF continua trabalhando para enviar materiais e equipes para a Líbia. Outro caminhão com suprimentos médicos, incluindo materiais cirúrgicos, está a caminho da fronteira entre a Líbia e o Egito. 

 

Leia mais sobre