Você está aqui

Efeitos da COVID-19 ampliam sofrimento de refugiados em Dadaab, no Quênia

16/10/2020
Falta de perspectivas de reassentamento faz explodir uma crise de saúde mental na região
Efeitos da COVID-19 ampliam sofrimento de refugiados em Dadaab, no Quênia

Foto: MSF

Uma crise de saúde mental está crescendo no complexo de refugiados de Dadaab, no Quênia, onde centenas de milhares de somalis estão presos há décadas. Uma mistura fatal de desespero, ansiedade e medo reprimidos, combinada com as novas incertezas trazidas pela pandemia de COVID-19, está forçando os refugiados a tomar medidas extremas.

MSF administra uma clínica de saúde mental como parte de seu hospital com 100 leitos no campo de Dagahaley, um dos três que compõem o complexo de refugiados de Dadaab. A clínica oferece tratamento médico para pacientes com várias doenças mentais, incluindo depressão, esquizofrenia e transtornos de ansiedade.

MSF está testemunhando uma dramática deterioração na saúde mental dos residentes do campo. Em Dagahaley, o número de tentativas de suicídio está aumentando e as consultas psicossociais cresceram mais de 50% em 2020, no período de janeiro até setembro - de 505 para 766. Nos últimos dois meses, cinco pessoas teriam tentado o suicídio no acampamento, dois com resultados fatais.

Muitos refugiados em Dadaab já estavam frustrados com a falta de progresso na busca por soluções duradouras. Agora, eles enfrentam a nova situação da COVID-19, onde a escassa assistência humanitária da qual dependem foi ainda mais reduzida. O Programa Mundial de Alimentos foi forçado a cortar os suprimentos em 40% e muitas outras agências reduziram drasticamente sua presença, interrompendo serviços básicos.

Esses cortes na quantidade dos alimentos, junto com a falta de emprego remunerado e uma incerteza sempre presente sobre o futuro, criaram uma nova crise de saúde mental.

Em agosto, o filho de 24 anos de Haret Abdirahman cometeu suicídio no campo de Dagahaley. “Apesar de terminar o ensino médio, ele continuou falando sobre como a vida era difícil para ele no acampamento sem emprego. Ele costumava dizer que gostaria de poder tirar a própria vida, mas eu nunca pensei que ele realmente faria isso.”

Nenhuma solução durável à vista

“A COVID-19 acabou com a pouca chance que os refugiados tinham de escapar de suas vidas degradantes nos campos, agravando a angústia mental de muitos que não tinham mais nada além de esperança a que se agarrar”, afirma o coordenador do projeto de MSF para Dadaab, Jeroen Matthys. “Estamos vendo uma onda de desespero no acampamento.”

O número de refugiados sendo reassentados do Quênia já havia diminuído antes mesmo da COVID-19. Agora, o reassentamento está quase completamente parado. Retornar voluntariamente à Somália, onde a insegurança é generalizada e o sistema de saúde está profundamente sobrecarregado, não é uma alternativa para a maioria dos residentes nos campos. Em agosto, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) não relatou nenhum retorno do Quênia para a Somália. A promessa de integração local para refugiados também se dissipou gradualmente à medida que as iniciativas para estender os serviços do Estado aos refugiados permanecem paralisadas.

A COVID-19 pode ter tornado a busca por soluções sustentáveis ​​muito mais difícil, mas uma ação significativa para os refugiados de Dadaab sempre foi insuficiente. Os compromissos apresentados, desde a Declaração de Nairóbi de 2017 para os somalis, que buscou uma solução regional para uma das crises de refugiados mais antigas do mundo, até as declarações de apoio no primeiro Fórum Global de Refugiados, foram todos frustrados. O pouco progresso que havia sido feito na expansão das oportunidades de educação agora está sendo minado pelas interrupções induzidas pela COVID-19.

Fawzia Mohamed, de 30 anos de idade, chegou ao campo com sua família em 1992, quando tinha apenas 2 anos. Ela vive no acampamento desde então. “Como você pode ficar em um país por três décadas, mas não saber a qual lugar pertence? Você continua sendo um refugiado sem perspectivas. Tem um impacto ainda maior sobre os muitos jovens deste acampamento, que estão sofrendo econômica e socialmente. A taxa de desemprego é muito alta no campo, mas se as restrições de movimento pudessem ser removidas, as condições de vida dos refugiados poderiam realmente mudar”.

Para os refugiados somalis que não conheceram nada além dos campos, soluções duráveis ​​passaram a parecer frustrantemente evasivas e inatingíveis. Os refugiados de Dadaab enfrentam a perspectiva de prisão perpétua em um dos lugares mais difíceis do planeta. O acampamento de longo prazo e as esperanças cada vez menores de uma vida livre das indignidades diárias estão tendo consequências devastadoras em sua saúde física e psicológica. E a COVID-19 aumenta a incerteza.

É provável que a COVID-19 piore significativamente as condições nos campos, já que as preocupações com os refugiados de Dadaab correm o risco de diminuir ainda mais as prioridades dos doadores. Ao mesmo tempo, os choques econômicos da COVID-19 em todo o mundo diminuíram muito as remessas que eles recebiam de famílias no exterior. Os efeitos colaterais do novo coronavírus provavelmente desferirão um golpe severo nas sociedades e os quenianos pobres e marginalizados não serão poupados. Mas os refugiados, mesmo os que têm acesso a alguma forma de assistência humanitária, permanecem extremamente vulneráveis.

“Enquanto o governo queniano traça os planos de recuperação da COVID-19, a integração com os refugiados representaria um reconhecimento retumbante de seu compromisso em buscar uma solução permanente para os que estão esquecidos de Dadaab”, disse Dana Krause, chefe de projeto de MSF. Para os doadores, nunca houve um momento mais adequado para demonstrar solidariedade internacional com os refugiados, e eles devem compartilhar totalmente a responsabilidade com o governo queniano, não apenas por meio de compromissos financeiros, mas também por meio da restauração de reassentamento e vias complementares para refugiados.”

MSF em Dagahaley

MSF tem fornecido assistência médica para refugiados em Dadaab durante a maior parte da existência do complexo do campo. Os serviços de saúde de MSF estão abertos às comunidades anfitriãs e são uma tábua de salvação crucial para os refugiados não registrados que não têm acesso aos serviços básicos nos campos. Os programas atuais de MSF estão focados em Dagahaley, onde oferece assistência médica primária e secundária abrangente para refugiados e comunidades anfitriãs. Os serviços médicos incluem saúde sexual e reprodutiva, assistência médica e psicológica a sobreviventes de violência sexual, saúde mental e cuidados paliativos.

Desde o início do surto de COVID-19, MSF implementou medidas para garantir o controle adequado da infecção. Isso inclui a configuração de triagem, estabelecimento de uma área de isolamento e organização de sessões de educação em saúde. No campo de Dagahaley, MSF montou uma unidade de isolamento com 10 leitos e capacidade de expansão para 40 leitos, se necessário, e também treinou profissionais de saúde. Ao mesmo tempo, MSF também apoiou os governos dos condados de Garissa e Wajir, organizando treinamento para equipes de saúde e reforçando as medidas de prevenção de infecção em dois hospitais de subprefeituras.

 

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar