Você está aqui

Dois integrantes de MSF são mortos no Paquistão

03/02/2009
Riaz Ahmad e Nasar Ali foram alvejados quando tentavam coletar feridos durante os confrontos no vilarejo de Charbagh

Duas equipes médicas da organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) foram mortas durante conflitos no distrito Swat, noroeste do Paquistão. O incidente ocorreu no domingo passado, dia 1º de fevereiro.

Riaz Ahmad, de 24 anos, e Nasar Ali, 27, haviam deixado Mingora, a principal cidade do Vale Swat, em duas ambulâncias para coletar as pessoas feridas durante os confrontos no vilarejo de Charbagh e levá-los ao hospital para tratamento. Por volta das 3h (horário local) sua ambulância, claramente identificada como veículo médico, foi alvejada dentro de Charbagh e ambos foram mortos. Um terceiro trabalhador voluntário de MSF ficou ferido na perna. Os motoristas escaparam ilesos.

"Estamos profundamente chocados e tristes com a morte de nossos colegas", afirmou Fasil Tezera, chefe de missão de Médicos Sem Fronteiras no Paquistão. "Em qualquer situação de conflito, incluindo Swat, é absolutamente imperativo que todas as partes envolvidas respeitem a assistência médica humanitária, as equipes médicas e os hospitais".

As mortes dos dois trabalhadores médicos ocorreram em um dia de grandes conflitos em Swat, que provocaram a morte de dezenas de civis. "O dia em que nossos colegas Nasar e Riaz foram mortos, era dia de folga deles. Mesmo assim eles vieram trabalhar porque souberam que várias pessoas haviam ficado feridas nos conflitos e que precisavam de assistência médica urgente. Eles se voluntariaram a trabalhar devido ao seu grande desejo de ajudar os outros. Vamos sentir muito a falta deles. Sua dedicação de levar ajuda médica às pessoas que precisam dela com urgência, sob condições de vida extremamente difíceis e perigosas, foi uma inspiração para muitos de MSF e também de fora da organização. Nós sentimos muito pelas famílias e amigos e agora nossa prioridade é apoiá-los o máximo possível"

MSF suspendeu por completo suas atividades médicas em Swat, incluindo todas as operações para salvar vidas.

Intensos tiroteios continuam em Swat, deixando presas a população civil inteira. A violência extrema fez com que cerca de 25 mil pessoas deixassem a área; MSF não tem como oferecer nenhuma assistência.

MSF trabalha no Paquistão desde 1988 e, recentemente, suas equipes médicas estão focalizadas na ajuda das vítimas do conflito armado cada vez mais violento nas regiões ao longo da fronteira noroeste do país.

Em Swat, MSF administra três ambulâncias e no último trimestre de 2008, a equipe de MSF transportou mais de 350 pessoas para o tratamento emergencial em hospitais da região. Durante o mesmo período, salas de emergência apoiadas por MSF atenderam cerca de 400 feridos de guerra. Os serviços médicos de MSF para os feridos ou doentes de Swat sempre funcionaram sob guias restritos de neutralidade e imparcialidade.

Médicos Sem Fronteiras é uma organização médica que oferece assistência médica em emergências, independente de todos os governos. No Paquistão, para garantir a independência completa, 100% dos fundos de MSF vem de pessoas privadas. Além disso, MSF não aceita fundos institucionais ou do governo. Como uma organização independente, MSF oferece assistência às pessoas baseadas nas necessidades.

Leia mais sobre