Você está aqui

Dois anos de tratamento é muito para uma criança

09/01/2020
A jornada de tratamento de uma criança com TB contada por sua avó, Saida
Dois anos de tratamento é muito para uma criança

Foto: Sabir Sabirov

Quando Mukhamadjon, de nove anos de idade, foi diagnosticado com tuberculose multirresistente extrapulmonar (localizada fora dos pulmões), sua avó Saida o apoiou durante dois anos de tratamento exaustivo. Aqui, ela compartilha a história deles.

Depois que perdi minha filha por causa da tuberculose, adotei meu neto.

Estávamos bem até que um dia notei inchaço no corpo dele. Fiquei preocupada e o levei para ver um médico.

Fomos ao hospital distrital, onde nos disseram que ele precisava de tomografia para diagnóstico. A tomografia custa dinheiro - eu não tinha o suficiente, mas decidi fazer quando recebi meu subsídio de pensão.

Infelizmente, logo depois de sofrer um acidente de carro, tive de receber tratamento médico.

Mas o tempo ia passando.

Diagnóstico

Depois, notei que o inchaço aumentou e levei meu neto ao hospital novamente.

Finalmente pude pagar a tomografia e os médicos fizeram uma triagem adequada. Eles disseram que os testes de laboratório mostraram que ele pode estar com tuberculose.

Foi muito estressante passar pela triagem, especialmente para o meu neto. Lembro que ele estava com muito medo das máquinas de triagem e de quando os médicos sugeriram cirurgia para o inchaço.

No final, fomos encaminhados para o hospital de TB.

Os médicos do hospital de TB confirmaram o diagnóstico: tuberculose multirresistente (TB-MR). Esta é uma forma da doença que não pode ser tratada com os medicamentos geralmente usados.

Os médicos me disseram que o tratamento exigia muitos meses ou até anos e havia muitos efeitos colaterais possíveis. Chorei muito - meu neto era uma criança pequena, tinha medo que ele morresse.

Era difícil imaginar que ele poderia ser curado.

Iniciando o tratamento

Acalmei-me um pouco quando os médicos explicaram o tratamento, disseram que havia apoio e que outras crianças estavam bem no regime.

De fato, quando chegamos à enfermaria de tuberculose resistente a medicamentos do hospital, vi outras crianças em tratamento: elas estavam brincando e tomando seus remédios.

No final, fiquei satisfeito com o fato de o tratamento estar sob observação cuidadosa e concordei em iniciá-lo.

Passamos nove meses no hospital. Não foi fácil: nove meses de injeções e muitas pílulas para tomar todos os dias.
Ele costumava chorar, recusando-se a tomar os medicamentos.

Eu me peguei pensando que seria bom se as injeções fossem prescritas apenas quando fosse absolutamente necessário e por um período mais curto, não 8 a 9 meses.

A sala de terapia lúdica realmente o ajudou a passar por isso, e seu humor estava melhor quando ele brincava com outras crianças.

Voltando para casa

Depois que ele voltou para casa, o tratamento ficou um pouco mais fácil, porque naquela fase do tratamento ele não precisava mais receber as injeções. Estar em casa com nossa família também ajudou muito.

Agora que ele está curado, vamos ao hospital para exames regulares, conforme combinado com os médicos.

Para ser sincera, testemunhar o sofrimento de meu neto pelo longo tratamento me fez desejar que o regime pudesse ser revisado para que as injeções fossem substituídas por medicamentos mais fáceis de tomar.

Eu também percebi que o apoio moral é muito importante durante o tratamento da tuberculose multirresistente. Durante essa longa jornada, as crianças precisam de atenção - precisamos criar uma atmosfera positiva ao seu redor, conversar e brincar com elas.

Além disso, se a condição de saúde de uma criança não é tão grave, por que não iniciar o tratamento em casa ou mais perto de casa? Ficar nove meses no hospital foi demais para nós.  

 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar