Você está aqui

Desesperança e ansiedade: os danos da exaustiva espera por asilo nos EUA

09/01/2020
Supervisora de saúde mental de MSF no México fala sobre os danos das políticas migratórias mexicanas e norte-americanas
Desesperança e ansiedade: os danos da exaustiva espera por asilo nos EUA

Foto: MSF

Nora Valdivia é psicóloga de Médicos Sem Fronteiras (MSF) e testemunha dos impactos que as políticas de migração dos Estados Unidos e do México – como o “Protocolo para a Proteção dos Migrantes” – têm sobre a vida e a saúde de milhares de pessoas. Muitas delas estão expostas a situações perigosas, como sequestros.

Os solicitantes de asilo abrigados em lugares como Matamoros – onde MSF atua desde junho de 2018 – vivem em condições adversas, enquanto tentam sobreviver sem saber o que acontecerá no futuro. Ali, eles vivem ao relento, no frio, próximo ao Rio Grande ou à ponte internacional que liga o México aos Estados Unidos. Essas condições geram e exacerbam problemas físicos e psicológicos, incluindo infecções respiratórias e transtornos de ansiedade.

MSF é a única organização humanitária que oferece assistência em saúde mental a mais de 1.600 pessoas que vivem à espera em tendas em Matamoros. Muitas resistem a serem transferidas porque têm medo. Elas resistem, mesmo em meio a condições tão adversas, porque o que menos querem é retornar aos seus países de origem, onde a morte é uma ameaça constante.

"Caminhando pela ponte internacional, encontro muitas situações complexas", disse Valdivia. “Outro dia, uma garotinha de três anos me perguntou se eu moro aqui; eu disse a ela que não. Então ela apontou para uma das pequenas tendas e me disse que morava lá. Ela me disse que tinha uma casa (em Honduras) e que o pai dela trabalhava lá, mas agora ele não está trabalhando. Fiquei espantada porque as crianças, independentemente da idade, podem perceber as mudanças em suas vidas, as situações em que estão vivendo e suas necessidades."

Quais consequências os problemas de saúde mental têm sobre os migrantes e solicitantes de asilo?

Varia de acordo com o diagnóstico. Problemas psicológicos podem causar sintomas físicos, porque afetam toda a pessoa. Essas pessoas deixam para trás seus países, sobretudo por causa da violência. Elas já chegam com problemas de saúde mental, que só aumentam durante a jornada pelo México, onde também sofrem violência, extorsão e violência sexual. Além de tudo isso, elas enfrentam discriminação, o que também as prejudica.

Que tipo de casos você já viu?

Vimos pessoas que sentem que estão tendo um "ataque cardíaco", mas, na realidade, estão tendo um ataque de pânico, desencadeado por um quadro de ansiedade. É nosso diagnóstico primário entre as pessoas que atendemos em Matamoros. Entre setembro e novembro, 61% dos nossos pacientes apresentaram sintomas relacionados a essa condição. Nesses casos, como nos outros, a abordagem de MSF é abrangente. Contemplamos a parte médica, realizamos uma avaliação geral e, ao descartar um problema de saúde física, integramos o componente de saúde mental.

Como é o trabalho de MSF com pessoas deslocadas e solicitantes de asilo em Matamoros?

Temos uma equipe médica que vem de Reynosa e atende às segundas e terças-feiras na ponte. Nos outros dias, as necessidades médicas são cobertas pelas instituições locais. Na cidade, também temos uma equipe de psicólogos, assistentes sociais e educadores comunitários que prestam serviços todos os dias da semana. O psicólogo atende individualmente e em grupo. O educador dá palestras sobre cuidados de saúde mental, emocional e a assistente social oferece apoio para encaminhamentos quando eles precisam de algum apoio médico, social ou jurídico. A assistência também se estende aos abrigos.

As pessoas entendem por que precisam dos serviços de saúde mental?

A princípio, desconfiam de nós, e é por isso que o promotor de saúde vai a todas as tendas para explicar nosso trabalho e, assim, se aproximar delas. Em seguida, trabalhamos na aceitação de sua saúde mental para remover o estigma de que o serviço seria apenas para "loucos”. Depois, fazemos as consultas necessárias.

Qual é a abordagem de saúde mental de MSF?

É uma abordagem de psicoterapia. Muitas vezes, temos sessões únicas porque essa é uma população que está constantemente em movimento. Portanto, em uma sessão única, você deve fazer o possível para tirar o paciente dessa situação e fornecer as ferramentas para enfrentar seus problemas e gerenciar efetivamente os sintomas em andamento. A cada sessão, recomendamos que eles busquem acompanhamento médico, se possível.

Qual é a importância de sessões únicas?

Essas sessões têm um impacto desde o momento em que um profissional oferece um espaço confidencial para ouvi-las de maneira calorosa e empática. As pessoas se sentem valorizadas e validadas. Geralmente, elas não recebem esse tipo de serviço, por isso é muito valioso para elas. Além disso, oferecemos ferramentas de autocuidado, relaxamento e psicopedagogia durante a consulta.

O que pode agravar a saúde mental das pessoas?

Estar na fronteira EUA-México é perigoso. Os migrantes e solicitantes de asilo vêm de seus países de origem com sintomas de saúde mental, que pioram enquanto estão no caminho. Então eles chegam e se estabelecem por um período indeterminado de tempo. Isso os expõe a casos de violência e eles vivem ao relento, com mau tempo, vulneráveis a problemas de saúde causados por essas más condições.

Como elas ficam no meio dessa desesperança?
 
Resiliência. São pessoas que se adaptam. Elas procuram os meios. A necessidade é tão grande que as faz se adaptar ao contexto. A força de vontade delas. Elas resistem. Essas experiências anteriores as forçam a se tornarem mais fortes. Elas estão sobrevivendo.

Qual grupo é o mais vulnerável?

As crianças são as mais vulneráveis à insegurança e doenças. Mais de 50% dos nossos pacientes têm menos de 15 anos de idade. Existem muitas crianças aqui, porque elas vêm em família. As principais condições médicas são doenças respiratórias e gastrointestinais, que representam 67% dos casos tratados entre setembro e a primeira semana de dezembro de 2019. Vemos arranhões, inchaços. Elas não estão vivendo em condições adequadas.

Qual é o principal desafio para MSF trabalhar com essa população?

Esta é uma população em constante mudança. Todos os dias vemos novas situações; e o contexto é volátil devido à violência. A cidade parece muito segura, mas não é. Elas também são afetados pela violência em outras cidades próximas de Matamoros, como Reynosa.

O que mais preocupa a organização neste momento?

Estamos preocupados com a exposição constante à violência (sequestro, roubo, extorsão, violência sexual) de uma população muito vulnerável. As datas de nomeação do processo de asilo costumam ser daqui a um ano, o que força os solicitantes a voltar para seus países de origem e os expõe, mais uma vez, a situações violentas e condições insalubres. Em geral, estamos preocupados com as consequências dessas políticas, que desumanizam e colocam em risco a vida de nossos pacientes.

 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar