Você está aqui

Da capital ao interior, MSF faz oficinas de capacitação em Minas Gerais

15/08/2008
Manual de gestão de risco de Belo Horizonte será entregue neste mês, junto com o início da oficina no município de Contagem

Nesta segunda-feira, 19 de agosto, Médicos Sem Fronteiras realiza no município de Contagem, Minas Gerais, a Oficina de Capacitação em Gestão de Risco para Profissionais do Programa de Saúde da Família em Áreas de Vulnerabilidade Social, que ainda transcorrerá durante os dias 20, 25 e 26. No dia 21, quarta-feira, será realizada em Belo Horizonte a entrega do manual de segurança, fruto da oficina realizada com os profissionais da capital no ano passado.

"A proposta da oficina é contribuir com os municípios para que os profissionais de saúde possam ter um melhor desempenho em áreas de risco, evitando possíveis incidentes", diz a assessora de projetos e facilitadora de oficina de Médicos Sem Fronteira, Rosana Ballestero. Esses treinamentos são específicos para profissionais do Programa de Saúde da Família (PSF) em áreas de vulnerabilidade social, ou seja, comunidades empobrecidas marcadas pela violência. O objetivo de MSF com essa proposta é capacitar profissionais do PSF para o gerenciamento dos riscos a que são expostos em seu cotidiano de trabalho e criar, assim, um guia de regras, em conjunto com esses profissionais, como estratégia de prevenção e enfrentamento de situações de risco vivenciadas.

A oficina de BH ocorreu há quase um ano, quando foram capacitados 184 profissionais de saúde que representavam 61 das 504 equipes que existem na cidade. O treinamento conta sempre com os profissionais que trabalham em áreas vulneráveis, mas o manual elaborado por eles pode ser usado por outras equipes de PSF, já que é baseado na realidade da capital, em que todos eles atuam.

Em Contagem, os números são menores: serão realizadas duas oficinas com 25 profissionais cada, além dos supervisores da Secretaria Municipal de Saúde. Também participam da capacitação: um profissional com ensino superior e um agente comunitário de saúde (ACS).

"O manual é produto da oficina, sendo construído pelos participantes e suas equipes, com auxílio de Médicos Sem Fronteiras. Ele é a compilação dessa reflexão e das propostas elaboradas pelas equipes", explica Rosana. Médicos Sem Fronteiras já realizou oficinas de gestão de risco e entregou manuais de segurança em cidades como Rio de Janeiro e Teresópolis.