Você está aqui

Crianças são o foco prioritário da atuação de MSF contra a malária na Nigéria

21/08/2020
Em 2018, país foi responsável por quase 24% de todas as mortes globais pela doença
 Crianças são o foco prioritário da atuação de MSF contra a malária na Nigéria

Foto: Abdulkareem Yakubu/MSF

Com a estação das chuvas, que representa um grande aumento nas taxas de malária, Médicos Sem Fronteiras (MSF) está respondendo a essa doença endêmica no nordeste da Nigéria. As equipes de MSF estão participando da segunda rodada de quimioprofilaxia sazonal da malária (SMC) no estado de Borno. SMC é um programa anual de prevenção da malária voltado para crianças entre 3 meses e 5 anos de idade, o grupo mais vulnerável. O objetivo do programa é tratar crianças em um estágio inicial, antes que desenvolvam complicações médicas e necessitem de hospitalização.

A Nigéria é o país com índice mais alto de casos de malária. De acordo com um relatório da OMS, o país foi responsável por 25% de todos os casos e por quase 24% de todas as mortes globais por malária em 2018.

Durante todo o ano, MSF está tratando pacientes com malária em suas instalações de saúde em Maiduguri, Gwoza, Pulka e Ngala. Quanto à cidade de Rann, MSF está administrando 11 "esquinas de malária" ou "pontos de malária", onde as pessoas com sintomas são testadas e as que têm a doença são tratadas.  

Além disso, neste ano, durante o período de pico, MSF está oferecendo apoio à Organização Mundial da Saúde (OMS) e às autoridades de saúde locais na campanha sazonal de quimioprofilaxia contra malária. Em Maiduguri, as equipes de MSF fornecem apoio logístico e supervisão na administração de medicamentos fornecidos pela OMS, na área de Gwange e em mais de 10 campos informais para deslocados internos (IDPs). Mais de 40 mil deslocados internos estão se refugiando nesses campos, que não são administrados diretamente pelo governo e muitas vezes são negligenciados pelo sistema de ajuda humanitária.  
Em 2019, MSF forneceu SMC a mais de 85 mil crianças menores de 5 anos de idade em quatro rodadas no estado de Borno. Este ano, MSF está apoiando a OMS com seu SMC, que tem como alvo dois milhões de crianças. “Estamos preparados para esse aumento previsto de casos de malária”, disse Blessing Ejawemokie, líder da equipe médica de MSF em Maiduguri. “Foram feitos preparativos para a doação de sangue porque a malária grave, se não tratada a tempo, pode levar à anemia crítica, e as crianças podem precisar de transfusão. Temos doadores de sangue voluntários e os familiares dos pacientes também doam”.

As operações médicas neste ano são complicadas pela ameaça da pandemia de COVID-19. Medidas de proteção foram implementadas, incluindo distanciamento físico durante a campanha SMC e instalação de pontos de lavagem das mãos.
Em Maiduguri, MSF também oferece assistência médica secundária a crianças afetadas pela malária com complicações e as trata em seu hospital pediátrico na área de Gwange. Desde o início do período de pico em junho, MSF tratou mais de mil crianças apenas no hospital.

“Estamos expandindo a capacidade de leitos do hospital de 80 para 165 para gerenciar o fluxo de pacientes”, afirma Ejawemokie. Cerca de 60% de nossos pacientes vêm da comunidade em Gwange, enquanto 40% vêm de outros lugares em Maiduguri e campos de deslocados internos.”

Zarah Lawal, uma mãe de cinco filhos, cuja filha de 2 anos de idade, Fatima Ali, está sendo tratada de malária no hospital de Gwange, elogiou MSF por sua pronta resposta quando eles foram ao hospital.

“Quando eu trouxe minha filha para o hospital, ela não estava consciente”, disse Zarah Lawal. “Ela estava tendo dificuldade para respirar. Na chegada, ela foi colocada em suporte de oxigênio e iniciou o tratamento. Sua condição agora se estabilizou.”
Além disso, durante esse período de pico, as equipes de MSF começaram a visitar comunidades e campos de deslocados internos para realizar testes de malária e tratar no local as pessoas que tinham a doença. E eles vão encaminhar casos graves que requerem hospitalização para o hospital de MSF, onde recebem cuidados adequados.

De janeiro a junho, ou seja, antes do início da alta temporada, MSF tratou mais de 2.170 pacientes em seus hospitais no estado de Borno. E 438 consultas foram fornecidas entre os deslocados internos e a comunidade anfitriã em Maiduguri por meio de equipes de clínicas móveis de extensão.

MSF também administra programas de malária em outras partes da Nigéria nos estados de Benue e Zamfara, a maioria entre crianças. De janeiro a agosto de 2020, MSF tratou 3.219 pacientes no estado de Benue. No estado de Zamfara, MSF tem programas de malária nos Hospitais Gerais Anka, Shinkafi e Zurmi. Até o momento, em 2020, tratamos 1.824 crianças internadas em nossa enfermaria pediátrica no hospital Anka. No nível da comunidade, tratamos e testamos quase 4 700 pessoas com malária apenas em julho, em todo o estado de Zamfara.

MSF trabalha continuamente na Nigéria desde 1996 e no nordeste do país desde 2014. Hoje, MSF trabalha em Borno, Ebonyi, Jigawa, Zamfara, Rivers, Kano e Kebbi, respondendo a uma variedade de problemas médicos, como febre de Lassa, doenças negligenciadas como Noma e emergências médicas como envenenamento por chumbo. MSF continua fornecendo assistência médica que salva vidas para aqueles que precisam, independentemente de raça, religião, credo ou convicção política.

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar