Você está aqui

A corrente de prata: como salvar uma vida no Iêmen

09/12/2019
Georgina, uma médica australiana, conta sobre uma emergência em um hospital no Iêmen, devastado pela guerra.
A corrente de prata: como salvar uma vida no Iêmen

Foto: Agnes Varraine-Leca/MSF

São 9h30 e, em algum lugar da casa, um telefone está tocando. O Ramadã está chegando ao fim e as manhãs aqui são lentas. Suponho que o toque estridente está chamando outra pessoa – um logístico para uma falta de energia inesperada ou talvez um dos profissionais do escritório não consegue entrar. Mas, como continua, corro para o meu quarto.  É o tradutor da manhã:

"Apenas uma ligação para que você saiba", diz ele, casual, sem pressa. “Há um paciente no pronto-socorro com um ferimento a bala. Ele está estável, sob controle."

Com as tensões flutuantes no país e alguns projetos de MSF fechados após ataques, é o protocolo notificar o coordenador do projeto (minha função) sobre todos os pacientes com ferimentos a bala para que possamos avaliar e monitorar a situação.

Posso transmitir essas informações, mas minha responsabilidade é principalmente com o paciente e meus colegas locais. Agora estou bem familiarizada com o dano que uma única bala pode causar. Eu pergunto sobre a lesão. "Apenas o peito ou talvez o abdômen, mas ele está estável, sob controle."

Tomando uma atitude

Coloco rapidamente ea abaya e o hijab (uma roupa parecida com uma capa e a cobertura da cabeça usada por algumas mulheres muçulmanas) sobre meu uniforme – minha própria exigência de segurança para os movimentos entre nossa casa e o hospital, em uma área rural conservadora do Iêmen – e subo correndo a colina com destino à sala de emergência.

A sala de ressuscitação está muito menos agitada do que deveria. Os sinais vitais do paciente parecem bons, mas a pessoa abaixo do monitor está pálida e suada, com respiração rápida e difícil.

Há bandagens novas enroladas nos ombros do paciente, estancando o sangramento das feridas de entrada e saída infligidas por um único tiro, cerca de uma hora atrás. No espaço entre os ombros, são muitas as maneiras capazes de matar um ser humano.

Identificando o problema

Ele já recebeu remédio para conter o sangramento, controlar a dor e evitar as infecções prováveis que surgem quando um projétil metálico e sujo rasga a carne humana.  Quando coloco o estetoscópio no peito, identifico o problema imediatamente. Embaixo das minhas mãos, sua pele está crepitando, bolsões de gás estouram, tendo escapado de um pulmão ferido.

A equipe aguarda um raio-X – um luxo que pode atrasar o tratamento vital. Mas um ultrassom ao lado da cama confirma minhas suspeitas quando vemos sangue e ar enchendo a cavidade torácica onde deveria estar o pulmão.

A corrente de prata

Meu colega nunca colocou um tubo torácico, um procedimento necessário para descomprimir o ar e o sangue e para permitir que o pulmão continue a expandir-se. Mas ele tem todo o conhecimento teórico. Ele está no fim de um turno noturno tranquilo, mas pronto e ansioso. Paramos um momento para discutir o procedimento, fazer um plano e nos preparar. Meu trabalho aqui é sobre capacitação e esta é a oportunidade perfeita para ele crescer.

Eu o guio ao longo do procedimento, passo a passo. Para mim, pelo menos, uma dança coreografada aprendida com anos de experiência médica. Ele é gentil, cavando os tecidos do paciente, mas logo há um assobio de ar, um jorro de sangue e um olhar de realização no rosto do meu colega. São 10h e ele salvou uma vida.

A família do paciente já doou sangue para substituir o que brota da ferida. O sangue entra em um tubo e sai por outro. Quando o paciente é levado para o raio-X, percebo que uma pequena corrente de prata oscila debaixo do relógio. Eu aprendi que esta é a marca da milícia local. Meus colegas provavelmente estavam cientes disso a partir do momento em que o paciente deu entrada. Eles foram imparciais em ação.

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar