Você está aqui

Confrontos provocam deslocamento populacional no sul do Sudão

23/05/2008
Enfrentamentos entre Forças Armadas e o Exército da Libertação Popular do Sudão devastaram a cidade de Abyei e fizeram quase toda a população fugir

Desde o dia 14, confrontos entre as Forças Armadas do Sudão e o Exército da Libertação Popular do Sudão (SPLA, na sigla em inglês) devastaram a cidade sudanesa de Abyei, que foi virtualmente destruída. Quase que toda a população local fugiu para o norte e sul da cidade para buscar abrigo.

Localizado no centro do Sudão, Abyei e seus arredores tinham cerca de 130 mil habitantes antes dos confrontos. Agora, quase 60 mil se deslocaram.

Devido à violência, as pessoas não tiveram outra escolha a não ser abandonar seus lares e todos os seus pertences. Agora, na estação das chuvas, as condições de vida para esses deslocados é deplorável. Há uma necessidade urgente de abrigos e a situação nutricional está piorando rapidamente.

No dia do primeiro ataque, o centro nutricional de MSF em Abyei tratava 700 crianças com desnutrição, dentre as quais 80 com desnutrição grave severa. Apenas algumas delas foram localizada desde que os deslocamentos ocorreram e agora foram readmitidas em nossos programas nutricionais.

Os violentos confrontos na cidade, a fuga a pé ou de caminhão e as condições de vida precárias atuais das pessoas só podem piorar a situação médica e nutricional. Nas zonas onde as equipes de MSF conseguiram se deslocar, o influxo de pessoas também representa um grande problema de acesso a àgua potável.

"O pânico estava tão disseminado que ninguém teve tempo de pegar nada ou até de pensar em sua própria família. Estamos muito ansiosos para ter notícias do nosso pessoal médico que não conseguiu fugir na época dos ataques", contou Inma Vazquez, chefe de missão no Sudão.

MSF, que trabalha no hospital de Abyei e nas redondezas desde 2006, teve de evacuar alguns de seus funcionários. No entanto, uma equipe composta por 11 pessoas, incluindo um cirurgião e um antestesista, foi enviada para Turalei e Agok para oferecer apoio aos deslocados internos, levando ferramentas cirúrgicas e materiais de primeiros socorros para atender as necessidades de 2 mil famílias e material de purificação da água para cerca de 10 mil pessoas. Nessas duas cidades, MSF atendeu 114 pessoas feridas. No Hospital de Turalei, que tem apenas 40 leitos, as equipes médicas de MSF montaram estruturas médicas de emergência debaixo das tendas.

À medida que os ataques em Abyei continuam, um crescente número de famílias que necessitam da assistência de MSF chegam às áreas norte e sul da cidade. Outra equipe de emergência de MSF está tentando chegar na população aglomerada ao norte na direção de Muglade e Heglige, onde também houve registros de deslocamentos e feridos.

MSF trabalha no Sudão desde 1996 e atualmente trabalha em todas as áreas do país.