Você está aqui

Conflitos ameaçam segurança de liberianos deslocados

21/08/2003
Conflitos ameaçam segurança de liberianos deslocados

Conflitos no município de Bong, nordeste de Monróvia, estão ameaçando a segurança de 60.000 liberianos deslocados que vivem em acampamentos em Maimu, Totota e Salala a apenas 45 quilômetros da linha de frente.

“Liberianos deslocados no município de Bong já foram obrigados a fugir pelo menos 4 vezes nos últimos dois anos, e agora, quando as suas condições de saúde estão bastante precárias, sua segurança está ameaçada novamente,” diz Pierre Mendiharat, coordenador geral de MSF na Libéria.

Não há distribuição geral de alimentos nesses acampamentos desde maio e as pessoas estão sobrevivendo catando mandioca nas matas próximas. MSF abriu um centro de nutrição terapêutica no campo de Salala no início de agosto e está tratando 150 crianças e recebendo por dia, entre 5 e 10 novos casos de crianças subnutridas. Além disso, MSF já realizou duas distribuições de alimentos para mais de 4.000 crianças. Um surto de cólera também já atingiu os acampamentos. MSF abriu uma unidade de tratamento de cólera em Salala e já tratou mais de 150 pacientes nas últimas duas semanas.

“A linha de frente está agora a 45 quilômetros dos acampamentos em Bong,” diz Pierre Mendiharat. “Se os conflitos se aproximarem, tememos que haja um deslocamento em massa de civis.”

Na última semana, equipes de MSF realizaram 4 viagens para avaliar a situação em Tubmanburg no município de Bomi, Bo Waterside no município de Grand Cape Mount, Zwedru no município de Grand Gedeh, e Buchanan no município de Grand Bassa – todas as áreas da Libéria que ficaram sem ajuda humanitária por meses e que não têm tido acesso a tratamentos de saúde ou à água potável e comida suficientes. Hoje, MSF deve iniciar uma clínica móvel em Tubmanburg, onde há cerca de 14.000 pessoas. Em Buchanan, estima-se que 30.000 deslocados necessitam de cuidados urgentes de saúde e nutricional, mas a segurança permanece bastante precária para permitir operações de assistência em larga escala.

Atualmente, 23 profissionais internacionais de MSF, 300 profissionais liberianos da organização e mais 600 profissionais de saúde pública que apóiam MSF estão administrando 2 hospitais de campo, 9 clínicas de saúde e 3 unidades de tratamento de cólera em Monróvia, além de estarem imunizando 2.400 crianças deslocadas por dia contra malária e transportando 100.000 litros de água por dia para centros de deslocados na cidade. MSF também desenvolve programas de saúde e água/saneamento em 3 acampamentos no município de Bong e reabriu uma clínica de saúde no acampamento de Plumcor para os deslocados no município de Montserrado, ao norte de Monróvia.

Leia mais sobre