Você está aqui

Como MSF está lutando contra a malária no Burundi

23/04/2021
Equipes de MSF realizaram várias campanhas de prevenção da malária em grande escala no Burundi nos últimos anos
Como MSF está lutando contra a malária no Burundi

Foto: Richard MALIKONGE

Equipes de Médicos Sem Fronteiras (MSF) realizaram várias campanhas de prevenção da malária em grande escala no leste do Burundi nos últimos anos, mais recentemente nas colinas de Kinyinya. Seu objetivo: atacar a doença em sua origem, reduzindo o número de mosquitos

"Volte e venha nos visitar!" Em pé no meio de uma pilha de pertences, Benoit Misago foi para fora de casa por segurança, enquanto assiste à partida da equipe de pulverizadores, que passou 20 minutos tratando as paredes e os tetos de sua casa com um spray inseticida. Com garrafas e bombas nas costas, eles seguem para a próxima casa.

Como os outros habitantes de Kumoso, esta é a segunda vez em dois anos que Benoit Misago teve sua casa tratada em uma campanha de pulverização contra a malária montada por MSF no distrito de Kinyinya. No verão de 2019, uma primeira equipe visitou sua casa para apresentar o projeto, explicar os detalhes e responder a todas as suas perguntas.

"Concordei rapidamente com o tratamento da minha casa", disse Benoit Misago. “Na época, tínhamos um grande problema de malária aqui. Mosquitos estavam voando por toda parte. Crianças e adultos ficavam doentes o tempo todo. Havia tantas pessoas no hospital que às vezes passávamos o dia todo lá. Felizmente, tudo isso parou após a visita das equipes. Estou feliz por vê-los novamente."

Uma queda de 80% nos casos de malária

A malária é um grande problema de saúde no Burundi. Endêmica e causa de surtos regulares, a doença é a principal causa de hospitalização e morte em crianças pequenas. Isso vale para todo o continente africano: a cada ano, mais de 90 por cento das 400 mil mortes por malária são registradas na África. Enquanto se aguarda a disponibilidade de uma vacina, a prevenção continua a ser fundamental e envolve o uso de medicamentos antimaláricos e proteção física contra os mosquitos, como redes mosquiteiras e melhor saneamento.

A pulverização residual interna é uma dessas técnicas de prevenção. Implementada com sucesso em várias partes do mundo, consiste na aplicação de inseticida nas paredes e tetos de edifícios - casas, celeiros, galpões - que mata os mosquitos que ali passam. Eficaz por meses, reduz drasticamente o número de casos de malária quando combinado com o uso de redes mosquiteiras.

“No ano passado, a pulverização foi um fator chave na queda de 80% nos casos de malária na região”, disse o Dr. Hippolyte Mbomba, coordenador do projeto de malária de MSF no distrito de Kinyinya. “No entanto, para ser eficaz, a pulverização deve ser preparada, realizada e repetida de forma extremamente meticulosa, em estreita colaboração com as autoridades e a população, e com o apoio de especialistas. Esta técnica não pode ser improvisada."

“Venha e pulverize!"

MSF e as autoridades de saúde levam vários meses para preparar cada campanha de pulverização. Primeiro, eles precisam selecionar qual inseticida usar, pois os inseticidas devem ser alternados para evitar que os mosquitos desenvolvam resistência. Em seguida, eles precisam divulgar informações entre as comunidades locais e incentivar seu engajamento, planejar a logística, recrutar e treinar as equipes...

“O distrito de Kinyinya tem mais de 68 mil casas espalhadas pelas colina", continua o Dr. Mboma. “Para que a abordagem seja eficaz, você precisa tratar pelo menos 85 por cento dessas casas. Isso requer organização e energia. Em particular, é necessário garantir que os habitantes entendam bem o projeto e aceitem-no, porque é uma técnica que eles não conhecem. Daí a importância de trabalhar em estreita colaboração com as autoridades locais e empregar muitos trabalhadores comunitários para responder a todas as suas perguntas."

Jeanine Arakaza, supervisora de uma das 78 equipes de pulverização implantadas em setembro de 2020, concorda. “No ano passado foi a primeira vez que pulverizamos casas por aqui, e obviamente houve algumas perguntas”, diz ela. “Houve muitas sessões de informação e, no final, conseguimos tratar 95 por cento das casas.”

“Este ano, todos estão convencidos. As pessoas viram o impacto da última campanha. Eles nos seguem e dizem: 'Venha pulverizar a nossa casa, precisamos de você, não queremos malária em casa!'. É muito encorajador. Esperamos fazer ainda melhor do que no ano passado."

Técnica de ponta

Além de mobilizar a população local, é necessária uma preparação técnica e logística de última geração para garantir que a campanha seja eficaz e ecologicamente correta.

“Tratar tantas casas requer um grande investimento no cumprimento dos padrões ambientais e gestão de resíduos”, explica o Dr. Mboma. “Esta é uma das nossas principais prioridades. Neste ano, temos 468 pulverizadores subindo e descendo morros tratando casas, sem contar higienistas, chefes de equipe ou lojistas. Tanta gente para treinar em dosagem, armazenamento, limpeza, gestão ambiental... Isto é enorme, mas absolutamente fundamental.”

O outro grande desafio de uma campanha como essa é cobrir tantas casas em um curto espaço de tempo. Em Kinyinya, a campanha ocorre em duas fases de 15 dias, para que dezenas de milhares de lares sejam tratados em menos de um mês.

Além de estarem altamente motivados e com fortes músculos na panturrilha, as equipes de pulverização contam com uma tecnologia muito valiosa para ajudá-los: um sistema de informações geográficas (SIG).

"Muito antes do primeiro pulverizador sair de bicicleta, toda a área foi meticulosamente mapeada por especialistas de MSF", diz o Dr. Mbomba. “Fazemos uma cartografia aérea com base em imagens de satélite processadas durante um evento de mapeamento, e cada casa, cada estábulo, cada banheiro é listado enviando para o terreno equipes equipadas com dispositivos de geolocalização. Desta forma, temos uma visão exata do número de casas, da topografia e dos caminhos disponíveis, para que possamos planejar as intervenções e acompanhar a evolução dia após dia.”

Para Jeanine Arakaza, as sessões diárias de monitoramento do progresso são um dos momentos mais agradáveis do trabalho de um supervisor. “Voltamos exaustos à noite depois do dia de trabalho, mas vivemos um momento mágico”, diz ela. “Em tela grande, vemos que todos os pontinhos mudam de cor dependendo dos resultados do dia. Você vê tudo o que foi feito pela sua equipe e por todas as equipes. Você vê onde tem que voltar para alcançar os objetivos. E você esquece completamente o cansaço do dia. Isso lhe dá coragem para continuar!"

Saúde é essencial

Muito mais do que uma mudança de cor em um mapa, Jeanine sabe melhor do que ninguém a diferença real que seu trabalho faz.

“Antes de ser supervisora aqui, eu trabalhava como enfermeira na unidade de terapia intensiva”, diz ela. “Já vi muitas pessoas morrerem de malária. Existem muitos casos. Pensei comigo mesmo que tinha que mudar para o lado preventivo, para diminuir a carga de trabalho nos hospitais”.

Embora as campanhas de pulverização reduzam muito o número de pacientes com malária, elas não eliminam a doença completamente. As pessoas ainda precisam de cuidados médicos para os sintomas da malária, então MSF está apoiando o fornecimento de tratamento gratuito para a malária em 14 unidades de saúde em todo o distrito.

“Isso muda tudo para nós”, diz Félicité, que trouxe um de seus filhos a um centro de saúde em Kinyinya para uma consulta. “Antigamente, quando ficávamos doentes, recorríamos à medicina tradicional ou aos marabus [professores religiosos], ou procurávamos medicamentos contrabandeados. Hoje sabemos que podemos ir ao hospital e que as crianças serão bem tratadas e sem custos. Chegamos mais rápido para sermos tratados.”

Pequenas vitórias importam

A redução da malária e a prestação de cuidados de saúde gratuitos salvam vidas, mas também ajudam as famílias de outras formas.

“Todo o dinheiro que costumavam gastar para obter tratamento, agora eles podem investir em outro lugar - em comida, por exemplo”, diz Jeanine Arakaza. “Isso também permite que as crianças frequentem a escola e os pais trabalhem no campo em vez de irem constantemente ao hospital. Além da saúde, isso os ajudará no dia a dia."

A luta contra a malária no continente africano ainda tem um longo caminho a percorrer e precisa de maiores esforços para melhorar o acesso a ferramentas de prevenção, diagnóstico e tratamento da doença.

Mas à sombra de números gigantescos, pequenas batalhas são vencidas. Este ano, por exemplo, a esperança de Jeanine de que o povo de Kinyinya estaria ainda mais protegido se tornou realidade. No final da campanha de pulverização, 98 por cento das casas na área haviam sido tratadas, protegendo mais de 311 mil residentes por muitos meses - até a próxima campanha de pulverização, que está programada para o verão de 2021.

 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar