Você está aqui

Como isso se tornou normal?

06/03/2020
As terríveis condições de vida nas ilhas gregas
Como isso pôde se tornar normal?

Foto: Valeska Cordier / Médecins Sans Frontières

Nunca antes eu me senti tão envergonhada quanto durante os dias que passei nos campos de refugiados nas ilhas gregas. Desde aqueles dias em Samos e Lesbos, várias perguntas continuam me assombrando: onde está a pressão social? Como as condições terríveis às quais dezenas de milhares de pessoas que buscam proteção na Europa precisam sobreviver se tornam um tipo de normalidade? Pessoas que são ignoradas ano após ano estão vivendo entre ratos e lixo. Como nos acostumamos a isso acontecer na Europa, que se vê como um paraíso de paz, como defensora dos direitos humanos? Como podemos deixar nossos políticos escaparem do fato de que não há solução imediata para os refugiados? Este é um relato de um lugar onde o desespero e a desesperança se tornaram parte da vida cotidiana.

Enquanto estou no campo de refugiados de Vathy, na ilha de Samos, no fim de janeiro, tenho dificuldade de imaginar que em algum lugar da Europa haja um lugar onde as pessoas tenham que viver em condições ainda piores. Subimos a montanha por caminhos estreitos e bem trilhados, por cima de valas de esgoto e lixo, atravessando a lama. A parte oficial separada do acampamento é apenas uma pequena área – a maioria das pessoas vive do lado de fora da cerca alta em um olival, em pequenas tendas de verão ou galpões construídos com postes de madeira e lonas plásticas. Em todos os lugares, as pessoas sentam-se em volta de pequenas fogueiras e crianças de todas as idades brincam, muitas delas andando descalças, apesar das baixas temperaturas.

As pessoas esperam segurança e proteção - em vão

As pessoas que chegam aqui geralmente fugiram há vários meses, se não anos, da guerra, da violência e da pobreza. Algumas crianças nunca frequentaram a escola, outras vivem em tendas desde o nascimento. Antes de chegarem às ilhas gregas, os refugiados esperam encontrar finalmente abrigo na Europa. Que este será o lugar onde eles estarão finalmente seguros, onde seus filhos poderão ir à escola, onde eles não terão que lutar para sobreviver todos os dias.

Mas uma vez que as pessoas sobrevivem à fuga perigosa e chegam a uma das ilhas gregas, sua história se repete: insegurança constante, condições de vida precárias, violência e doença. Os campos de recepção estão completamente sobrecarregados há anos – nos últimos meses, os números aumentaram enormemente mais uma vez, enquanto ao mesmo tempo apenas algumas pessoas são transferidas para o continente. As condições de vida – agora amplamente conhecidas devido a numerosos relatos da mídia e ONGs – são absolutamente inaceitáveis. Além da acomodação inadequada, não há água e comida suficientes, chuveiros e banheiros ou assistência médica. Mulheres grávidas e recém-nascidos têm que viver em tendas sem aquecimento. O perigo de se tornar vítima de violência sexual é particularmente grande para mulheres que viajam sozinhas e menores desacompanhados.

É possível piorar

Dois dias depois, visito o acampamento Moria, na ilha de Lesbos, e tenho que admitir: fica pior. Em Moria, há cerca de três vezes mais pessoas do que no campo de Vathy, em Samos – no momento, cerca de 19 mil. Oficialmente, há espaço para cerca de 2.800. Quando chegamos ao acampamento, começa a chover torrencialmente e em poucos minutos fica claro o que significa quando dezenas de milhares de pessoas precisam armar suas tendas em um olival. Em todos os lugares, a água barrenta flui pelas encostas – atravessa as tendas e as danifica. Em alguns lugares, as pessoas tentaram construir degraus e pequenas valas para poderem descer as encostas com segurança e a água fluir de uma maneira mais regulada. No entanto, tudo fica encharcado. A roupa no varal temporário, as tendas (que não são feitas para esse clima), as pessoas; e, com o frio, tudo permanece úmido mesmo depois da chuva.

"Todo mundo perde a esperança"

Eu ando pelo acampamento com um de nossos consultores de saúde e rapidamente percebo o quanto ele está desesperado. "Quando você vive nessas condições, onde tudo falta, todo mundo perde a esperança. Eu perco a esperança. Não sei mais o que dizer às pessoas, o que aconselhá-las. Fica cada vez pior e pior e mais e mais pessoas estão chegando", diz Alaa Aldin. "As pessoas vêm de áreas onde você é atingido por um atirador de elite a caminho do trabalho. Você tem sorte se ele acertar a pessoa ao seu lado e você só vir o corpo. Isso é apenas loucura. Depois de toda essa experiência, ter pelo menos uma tenda e talvez uma refeição - vale a pena tentar. As pessoas perderam suas casas e seus empregos, membros da família – elas perderam seu futuro. Quais são suas alternativas?"

Não é apenas a conversa com Alaa que me deixa atordoada. Em quase todas as conversas com nossos colegas no local, é evidente o quão difícil é para eles esperar uma rápida melhoria da situação.

"Eles são muito mais fortes do que pensam – são o oposto de fracos"

Este também é o caso em nossa clínica na cidade de Mytilini, perto do campo, onde são tratados sobreviventes de violência sexual, tortura ou outros tipos de violência extrema, com o objetivo principal de devolver aos pacientes a força necessária para sobreviver nessa situação. "Tentamos minimizar os piores sintomas", explica nosso psicólogo Greg Kavarnos, "não podemos oferecer terapias de longo prazo, mas tentamos estabilizar as pessoas para que elas possam funcionar nesse ambiente terrível em que vivem. Tentamos dar-lhes força e deixar claro que eles sobreviveram a experiências terríveis, o que os torna muito mais fortes do que muitas outras pessoas. Elas são muito mais fortes do que pensam – são o oposto de fracos".

Momentos de humanidade

E existem esses dois pequenos momentos que não precisam de uma grande explicação: eles apenas demonstram que as pessoas, apesar das terríveis experiências que tiveram aqui, não perderam a humanidade e a hospitalidade.

Enquanto ando pelo campo de Vathy em Samos com um colega, passamos por alguns sírios que construíram um pequeno forno e estão assando pão. Imediatamente eles nos convidam com gestos para parar e nos entregam um pão achatado recém-assado. Tentamos recusar de uma maneira amigável, porque sabemos quão pouca é a comida que as pessoas aqui têm e as ouvimos reclamando sobre o quão ruim é a comida fornecida pelo acampamento. Mas isso não é possível. Embora mal possamos falar algumas palavras, fica claro que somos cordialmente convidados a comer o pão. É tão delicioso quanto cheira e a alegria do grupo é sincera quando aceitamos o presente.

Em Moria, depois de meia hora de caminhada pela chuva, estamos no meio da parte não oficial do acampamento, em uma encosta lamacenta e não pavimentada, à medida que a chuva se torna ainda mais intensa. Ao nosso lado, alguns homens estão limpando uma pequena loja onde vendem comida e outras necessidades básicas. Eles nos acenam e se oferecem para nos abrigar em seu depósito e beber um chá quente. Entre caixas vazias, esperamos até a chuva passar. E enquanto a água encharca as habitações das pessoas, fico no meio do caos e começo a me perguntar: como isso pode se tornar normal?

A resposta é tão simples quanto cruel: esse caos desumano é politicamente pretendido. As pessoas pagam o preço por uma decisão política consciente. Eles pagam com sua dignidade, seu futuro e às vezes até com suas vidas.

 

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar