Você está aqui

Cólera no Haiti: situação preocupante nas áreas rurais

09/12/2010
Um total de 51 mil pacientes foram tratados por MSF desde o início da epidemia

Entre os dias 22 de outubro e 5 de dezembro, Médicos Sem Fronteiras (MSF) tratou mais de 51 mil pessoas com sintomas de cólera no Haiti, incluindo uma média de 1,1 mil por dia na semana passada. MSF atualmente gerencia 40 unidades de tratamento ao redor do país com capacidade de 3,3 mil leitos.

A situação é particularmente crítica no norte do país, onde a epidemia se espalhou nas últimas duas semanas. Equipes de MSF estão coordenando Centros de Tratamento de Cólera (CTCs) nas cidades de Cap Haitien e Port-de Paix. No norte, MSF está recebendo 380 pacientes diariamente, incluindo 200 em Cap Haitien onde 300 pacientes estão atualmente hospitalizados. Em Port-de-Paix, no nordeste, mais de 100 pacientes estão sendo admitidos todo dia e MSF aumentou sua capacidade de hospitalização para chegar a 130 camas.

"O que temos visto é apenas a ponta do iceberg, pois sabemos que existem pessoas morrendo de cólera nas comunidades rurais, explica David Schrumpf, que coordena as equipes de MSF no norte. "Nós estamos tentando chegar até eles, de carro, moto e às vezes a pé, para instalar pontos de reidratação oral e unidades de tratamento. Nosso objetivo é oferecer melhor acesso a cuidados médicos para as populações mais remotas, mas também garantir que as pessoas doentes possam se reidratar no caminho até as primeiras unidades de saúde.f

Na capital, Porto Príncipe, o número de casos de cólera continua alto, mas, globalmente, o número de admissões nas 13 unidades de tratamento de MSF está se estabilizando. No total, 14 mil pessoas foram tratadas, incluindo 1,8 mil na semana passada, na capital haitiana. Em Artibonite, onde o surto começou oito semanas atrás, o número de pacientes de cólera está declinando: 870 durante os sete últimos dias, para um total de 21 mil pacientes.

As equipes de MSF permanecem em alerta e monitoram a situação epidemiológica no país para poder melhor adaptar suas atividades.

"Nas novas áreas afetadas pela doença, a população está realmente assustada, disse Alan Lefebvre, coordenador de emergência de MSF. "A população teme que um Centro de Tratamento de Cólera traga a doença para a comunidade. O desafio é informar, chamar a atenção e demonstrar que nós estamos lá para tratar os doentes e isso tem funcionado.

Mais de 4 mil profissionais haitianos estão trabalhando junto com 260 expatriados em resposta à epidemia de cólera no Haiti. MSF levou mais de 770 toneladas de suprimentos médicos e logísticos para o país para responder ao surto.