Você está aqui

Ciclone Idai, Zimbábue: os primeiros seis dias

30/03/2019
Marthe Frieden, líder da equipe médica na resposta de emergência de MSF no Zimbábue, fala sobre os desafios e união de comunidades durante os primeiros dias de resposta à destruição do ciclone Idai.
Ciclone Idai, Zimbábue: os primeiros seis dias

Foto: MSF

Marthe Frieden é a líder da equipe médica na resposta emergencial de MSF à destruição causada pelo ciclone tropical Idai, que atingiu a província montanhosa de Manicaland, no Zimbábue, na noite de 15 de março. O ciclone causou inundações e deslizamentos mortais, particularmente no distrito de Chimanimani. Antes do Idai chegar, Marthe estava trabalhando em um projeto piloto de MSF para o controle de diabetes e de hipertensão no distrito de Chipinge, em parceria com o Ministério da Saúde do Zimbábue. Estando nos distritos mais afetados de Chimanimani e Chipinge, Marthe descreve os eventos dos primeiros seis dias, quando uma equipe de MSF de 10 pessoas mudou rapidamente de atividades regulares para o modo de emergência.

"Nyamavhuvhu" – o mês do vento. Isso é como o mês de agosto – o mês com mais vento antes das primeiras chuvas – tem sido chamado há muito tempo em Shona, um dos idiomas locais no Zimbábue. “Mhepo iri kuvhuvhuta!” - “O vento está soprando!”

No entanto, este ano, ventos de mais de 200 km/h desceram das montanhas na noite de 15 de março, anunciando após um longo período de seca a chegada de um imenso ciclone, que despejou toneladas de água na província de Manicaland, no Zimbábue.

Até aquela noite, nosso projeto em Chipinge tinha “mbichana mbichana” (lentamente, lentamente) desenvolvido um modelo médico para tratar pacientes que chegavam em clínicas com múltiplas doenças, construindo pontes entre doenças infecciosas como HIV e TB e doenças não transmissíveis como diabetes, hipertensão, asma e epilepsia.

Nossa maior dor de cabeça era a crise econômica no Zimbábue e a questão relacionada a suprimentos não confiáveis de medicamentos inacessíveis. Estávamos progredindo em um ritmo silencioso, ocasionalmente interrompido por um surto de malária ou doença diarreica.

Então o Idai chegou, derrubando árvores e transformando riachos plácidos em torrentes selvagens. Pontes e estradas essenciais desmoronaram diante dele, assim como casas e abrigos de animais. Deslizamentos de terra começaram a irromper pelas montanhas, levantando pedras e empurrando-as para baixo – "como caminhões rugindo sem freios", nas palavras de um morador de Chimanimani.

Famílias e casas inteiras desapareceram sob a lama e as rochas, e quando a terra parou de se mover, o que restava era uma túmulo gigante.

Dia 1 (Sábado 16 de março): Eu participei de uma reunião urgente convocada por um corpo cívico, no qual um sentimento de desespero e desamparo aumenta à medida que a extensão do dano se torna clara, juntamente com a percepção de que as áreas devastadas estão isoladas do mundo. Sabemos que temos que trabalhar em modo de emergência agora e nosso estilo de liderança vai de participativa à instrução direta. Nós trocamos nossas camisetas casuais de futebol por camisetas oficiais de MSF, interrompemos o tradicional fluxo de saudações e fomos direto ao assunto.

Dia 2 (domingo, 17 de março): A equipe de MSF deixa Mutare com o objetivo de deixar suprimentos médicos no hospital Mutambara, no distrito de Chimanimani. Depois de um dia de confusão em um labirinto de pontes desmoronadas e estradas bloqueadas por deslizamentos de terra e de rochas, percebemos que nem as duas estradas nem as estradas secundárias de terra para o distrito são acessíveis. O distrito está completamente isolado. Então começamos a pensar em como mudar nossa abordagem.

Dia 3 (segunda-feira, 18 de março): É estabelecido contato com o exército zimbabuense e é dada permissão para erguer três tendas como parte de um centro de estabilização para sobreviventes em um ponto estratégico com vista para a área afetada em Chimanimani, agora conhecida como "Skyline". Um pedido é feito ao exército para ajudar a fornecer suprimentos muito necessários para hospitais isolados. Os membros da comunidade local se reúnem em grupos para discutir estratégias para salvar vidas de amigos e familiares presos no vale de Chimanimani. Eles expressam frustração com o ritmo dos esforços de socorro. Enquanto isso, as chuvas continuam a cair e a névoa se transforma em neblina, mantendo os helicópteros no chão. Dezenas de mortes já foram relatadas, e relatos de pessoas desaparecidas estão chegando. O tempo urge.

Dia 4 (terça-feira, 19 de março): O coordenador de emergência de MSF chega de Harare e nos encontra no 'Skyline'. Uma equipe de jovens médicos voluntários do Zimbábue, altamente especializados, apareceu aparentemente do nada e tomou conta das nossas tendas. Eles são de uma rede de igrejas, hospitais e da Universidade do Zimbábue. Alguns já foram levados para a zona do desastre de helicóptero. "Tinokugamuchirai mose", nós choramos – "Nós damos as boas-vindas a vocês!"

À medida que um número crescente de organizações de ajuda emergencial chega, a colaboração acontece de maneira ad hoc, mas com sinergia. Um mecanismo de coordenação é estabelecido com o Ministério da Saúde e outros atores em cena, com grande parte da comunicação acontecendo em grupos de WhatsApp, como o “grupo médico Ciclone Idai”, do qual faço parte.

Os primeiros pacientes chegam antes que qualquer leito possa ser organizado. Alguns têm feridas infectadas, mas ainda não há água para lavar as mãos. Deitados em lonas de plástico no chão, os pacientes são examinados e estabilizados por médicos e enfermeiros. À medida que o céu clareia, mais e mais pacientes com ossos quebrados ou lacerações profundas são evacuados de helicóptero para a Skyline. Ambulâncias particulares levam pacientes ao hospital, enquanto MSF transporta pessoas com ferimentos menos graves para o hospital do distrito de Chipinge, a aproximadamente 50 km de distância.

O processo e a papelada são ignorados quando as circunstâncias exigem uma coordenação rápida entre pilotos de helicóptero e médicos que partem para unidades de saúde que não são acessíveis por estrada. Responsabilidade torna-se uma questão de consciência. Avaliações rápidas de risco versus benefício devem ser feitas constantemente.

Dia 5 (quarta-feira, 20 de março): Enquanto as primeiras doações humanitárias são distribuídas, encontramos uma multidão de pessoas caminhando para saudar o presidente do Zimbábue, que deve chegar neste dia. Uma conhecida empresa de refrigerantes ganha meu respeito por levar centenas de garrafas de água potável para onde a água limpa é tão urgentemente necessária. Uma companhia de combustível entra com equipamento pesado para reabrir as estradas, enquanto banheiros móveis estão começando a aparecer e uma companhia de seguro de vida nacional forneceu muitos leitos.

Estamos montando uma farmácia quando as tendas são arrancadas do chão por um turbilhão causado por um helicóptero voando perigosamente perto. Que negligência! No entanto, continua o processo de resgatar os feridos, estabilizá-los e transferi-los para o hospital, em meio a uma profunda preocupação por aqueles que não estão sendo alcançados. Entrar no vale não é uma opção. O exército e empresas privadas no local estão tentando abrir uma estrada direta. A nossa equipe consegue entrar no distrito amanhã?

Dia 6 (quinta-feira 21 de março): Finalmente, um tanque de água chega ao Skyline. O número de pacientes que chegam com lesões de trauma diminui rapidamente. Moradores da área montanhosa ao redor de 'Skyline' aparecem a pé em busca de medicamentos para HIV, diabetes, hipertensão e asma. Alguns perderam sua medicação nas inundações, e muitos não conseguem mais acessar suas instalações de saúde. Temos que preencher a lacuna e, assim, o centro de estabilização se torna uma unidade de atenção de saúde primária. Uma estrada é aberta e nossas equipes móveis agora podem acessar com veículos as áreas afetadas, mas somente se a chuva parar.

Com a resposta de emergência em andamento, os mortos sendo enterrados, os sobreviventes sendo apoiados para reconstruir suas vidas e a infraestrutura sendo reconstruída, fica claro para mim que uma ponte deve ser construída entre a resposta de emergência e o atendimento crônico. As vítimas de trauma com fraturas ou aqueles que sofreram ferimentos graves precisarão de cuidados de acompanhamento a médio ou longo prazo, especialmente aqueles com lesões na coluna vertebral. Sobreviventes com transtorno de estresse pós-traumático correm risco de se unir àqueles cujos problemas de saúde mental não são tratados; para muitos, serviços e medicamentos de saúde mental não estão prontamente disponíveis no Zimbábue.

O ciclone intensificou uma crise socioeconômica existente na região e, depois disso, estamos testemunhando uma calamidade de várias camadas: uma seca, uma crise econômica paralisante, uma epidemia de HIV subjacente, taxas crescentes de diabetes, hipertensão e outras doenças não-transmissíveis, e agora a devastação causada pelo pior ciclone já registrado que atingiu a região. Se houver progresso no médio e longo prazo, é necessário um apoio multifacetado. No curto prazo, nossas equipes de MSF permanecerão ao lado do Ministério da Saúde e de outros atores, construindo pontes onde pudermos.

O impacto do ciclone tropical Idai nos planaltos do leste do Zimbábue foi enorme: 181 vidas foram perdidas, 330 pessoas estão desaparecidas e quase 22 mil foram desalojadas. Várias pontes e estradas inteiras foram destruídas ou permanecem bloqueadas por quedas de rochas, deixando algumas comunidades acessíveis apenas a pé. Muitos ficaram sem lares ou meios de subsistência e o acesso à água potável é uma questão importante.

O centro de estabilização do Skyline cumpriu seu papel e agora está sendo fechado. Uma equipe de MSF está apoiando a equipe do Ministério da Saúde em Chimanimani com a gestão de pacientes e ajudando a manter o suprimento de medicamentos essenciais. O tratamento da água e a prevenção de doenças diarreicas são um componente essencial da resposta de MSF. Duas equipes móveis estão se deslocando pelo distrito a pé, tentando alcançar 15 dos centros de saúde e assentamentos mais afetados em Chimanimani para avaliar as necessidades de saúde e distribuir medicamentos para clínicas e agentes de saúde de vilarejos. Nossas equipes também estão distribuindo suprimentos básicos e tabletes para purificar a água para beber. As principais necessidades de saúde no distrito de Chimanimani atualmente incluem o cuidado de lesões traumáticas, tratamentos antirretrovirais para pacientes com HIV e medicamentos para doenças crônicas.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar