Você está aqui

Chile: MSF apoia hospitais de áreas atingidas por terremoto

03/03/2010
Grupo de 14 profissionais se divide entre as regiões de Maule e Bio Bio, fortemente atingidas pelo abalo

Médicos Sem Fronteiras (MSF) tem uma equipe de 14 pessoas no Chile, país atingido por um terremoto de magnitude 8.8 na escala Richter no sábado passado. Várias equipes da organização estão avaliando as necessidades nas regiões de Maule e Bio Bio, ambas gravemente afetadas. MSF já deu início ao apoio aos hospitais em Curicó e Chillán oferecendo suprimentos médicos.

A zona de impacto do terremoto cobre quase mil quilômetros da região costeira do Chile. Muitas áreas ainda têm de ser avaliadas. Nossas equipes estão em contato com o governo chileno, que até agora tem respondido de maneira eficaz ao desastre. MSF vai focar seus esforços nas áreas mais isoladas aonde as equipes de resgate ainda não chegaram.

Uma equipe de MSF que está na região de Concepción está planejando viajar hoje com as autoridades chilenas para verificar a situação na área costeira ao norte da cidade. Duas outras equipes estão cobrindo a costa da região de Maule, tanto ao norte e quanto ao sul da cidade de Constitución.

MSF também visitou hospitais em Curicó e Chillán que receberam pessoas feridas durante o terremoto. A organização vai apoiar as unidades com suprimentos médicos.

Em seus levantamentos, as equipes observaram danos significativos em várias áreas, especialmente ao longo da costa, que foi atingida pelo terremoto e pelas grandes ondas provocadas pelo tremor. Mas os danos não parecem ser muito espalhados e as estradas estão em boas condições. Em algumas vilas, as pessoas estão dormindo nas ruas, seja porque perderam suas casas ou devido aos pequenos tremores diários, que os fizeram temer voltar para casa.

A organização também está preparando uma equipe de psicólogos para oferecer cuidados de saúde mental à população, uma vez que nossos trabalhadores encontraram muitas pessoas traumatizadas pelo terremoto e pelos tremores subsequentes.

MSF já tem 14 pessoas no terreno: uma equipe composta por médicos, enfermeiros, logísticos e um coordenador, vindos da Argentina, Bolívia, Panamá, México e Chile.