Você está aqui

Burundi: em Bujumbura, as vítimas de acidentes recebem atendimento gratuito

16/09/2019
Cerca de 2 mil pessoas vindas de diversas partes de Burundi são atendidas no centro médico L’Arche de Kigobe
Burundi: em Bujumbura, as vítimas de acidentes recebem atendimento gratuito

Foto: Evrard Ngendakumana

É uma ensolarada manhã de agosto no hospital Bwiza-Jabe, em Bujumbura, a principal cidade do Burundi. Um carpinteiro de 20 anos do bairro de Bwiza chega com um corte na testa causado por uma pedra afiada. Uma enfermeira local oferece os primeiros socorros, supervisionada por Alain Muluvia, um enfermeiro de Médicos Sem Fronteiras (MSF).

"Esse paciente foi atingido por uma pedra jogada por um carro em alta velocidade", diz Alain. “Nós demos os primeiros socorros, mas ele precisa de pontos internos e externos. Dada a extensão da lesão, vamos transferi-lo para o L'Arche de Kigobe”.
 

2.000 pacientes por mês

O L'Arche de Kigobe é um centro médico criado por MSF durante a crise que abalou o Burundi em 2015 para tratar pessoas com ferimentos causados por violência. No ano seguinte, quando os casos relacionados à violência diminuíram, MSF decidiu também tratar pessoas com ferimentos acidentais, aumentando o número de pacientes de 200 por mês para quase 2 mil. Atualmente, o centro atende principalmente vítimas de acidentes de trânsito, pessoas com queimaduras e sobreviventes de violência sexual.

"Nossos pacientes vêm de todo o país", diz Vincent Onclinx, coordenador do projeto de MSF. “Atualmente, 90% deles são vítimas de acidentes, principalmente acidentes na estrada. No ano passado, realizamos 22.400 consultas de emergência e realizamos mais de 4 mil cirurgias – quase 11 por dia. ”

Com mais e mais pacientes precisando de cuidados, em junho de 2019, MSF decidiu se concentrar naqueles com lesões de trauma complicadas, enviando pacientes com lesões de trauma simples para dois hospitais parceiros próximos – Kamenge e Bwiza-Jabe – e dois centros de saúde – Buterere II e Ngagara. MSF cobre o custo dos cuidados dos pacientes, enquanto fornece à equipe de saúde treinamento e outro apoio.
 

Rompendo barreiras financeiras

No município de Bujumbura, Bwiza, a promotora de saúde de MSF Nicole Niyoyankunze fica diante de uma grande multidão com um megafone na mão. Muitas das pessoas que vivem e trabalham aqui são carpinteiros – uma profissão em que as lesões relacionadas ao trabalho são comuns. Nicole está realizando uma sessão de informação em grupo, dizendo às pessoas o que fazer se elas se machucarem e onde receber tratamento gratuitamente.

"Nas estruturas que mantemos e apoiamos, os pacientes não precisam pagar os custos de seu tratamento", diz Nicole. "Esta é uma vantagem importante, porque os custos financeiros podem constituir uma barreira significativa ao atendimento".

O pescador Abdoul Karim foi atropelado por um carro enquanto atravessava a rua. Trazido para o L'Arche de Kigobe, os médicos operaram seu braço. Duas semanas depois, ele está se recuperando em uma das enfermarias.

"Quando acordei no L'Arche naquele dia, não sabia onde estava ou como cheguei ali", diz Abdoul Karim. "Então, comecei a ter vislumbres do que aconteceu: lembrei-me do carro enquanto atravessava a rua para vender meu peixe".

As lembranças de Abdoul Karim de seu acidente podem ser imprecisas, mas ele sabe com certeza que, sem tratamento gratuito, ele nunca poderia ter se submetido à cirurgia para recuperar seu braço quebrado. "Tive muita sorte de ser trazido para cá", diz ele. “Os médicos me operaram e cuidaram de mim como se eu fosse lhes dar dinheiro. Eu sou apenas um pescador – onde eu poderia encontrar o dinheiro para pagar por tudo isso? " 

Os 68 leitos do L'Arche de Kigobe estão sempre ocupados e os 240 profissionais burundinês e 12 internacionais do centro estão sempre ocupados. Além de realizar cirurgias de emergência e cirurgia ortopédica, as equipes de MSF oferecem fisioterapia e apoio psicossocial para ajudar os pacientes a lidar com seus ferimentos, tanto física quanto psicologicamente, para que, uma vez que eles deixem o hospital, tenham as habilidades necessárias para seguir com suas vidas.

Sons de risadas e palmas ecoam pelo corredor principal do centro. Na 'sala de reeducação', Amina, de 7 anos de idade, realiza sua primeira sessão de reabilitação depois de passar um mês com gesso e uma fratura dupla na perna. O pai observa, encantado ao ver a filha aprendendo a andar novamente.

Leia mais sobre

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar