Você está aqui

Avião de MSF tem permissão para aterrissar em Mianmar

10/05/2008
Aeronave de carga contém 40 toneladas métricas de água, equipamentos de saneamento, itens emergenciais, medicamentos e alimentos terapêuticos

No momento em que o primeiro avião de Médicos Sem Fronteiras (MSF) recebe permissão para aterrissar em Yagon neste sábado, MSF já intensificou seu programa emergencial. À medida que a intervenção é ampliada, há a necessidade de mais especialistas técnicos e suprimentos para os próximos dias.

MSF tem equipes em vários países esperando por vistos e vários outros aviões de carga prontos para partir nos próximos dias, apesar de ainda terem de esperar por autorização do governo para aterrissar.

O primeiro avião de carga, contendo 40 toneladas métricas de água e equipamento de saneamento, itens emergenciais, medicamentos e alimentos terapêuticos ricos em nutrientes deixou a Europa nesta sexta-feira pela tarde. A autorização para o pouso foi dada e as equipes estarão a postos para receber o material e imediatamente distribuirá para alguns dos moradores mais afetados.

As equipes de MSF que já estavam em Mianmar deram início aos atendimentos logo depois de o ciclone atingir o país, fornecendo itens de emergência básicos, atendimento médico e acesso à água potável.

As equipes de MSF estão usando dois barcos para alcançar as áreas mais afetadas da margem sudoeste do Delta do Ayeyarwaddy, principalmente em Haigyi, Tongwa e Pyinsalu, onde 95% das casas foram destruídas. Até agora, nove caminhões com suprimentos foram enviados a Pathein, incluindo 14 mil lâminas de plástico, 62 toneladas de arroz, assim como azeite, peixe e alimentos terapêutios ricos em nutrientes.

As equipes realizaram centenas de consultas desde quarta-feira. Cerca da metade relacionada a ferimentos causados pelo ciclone, embora a expectativa fosse de observar casos de diarréia, febre e doenças respiratórias.

Outras equipes de MSF estão realizando levantamentos com ajuda de caminhões entre Yangon e Labuta, incluindo a devastada área de Bogaley. Em cada área afetada, são distribuídos alimentos e oferecem atendimento medico para a população. Em seguida a esses levantamentos, caminhões com itens emergenciais e alimentos são enviados a esses locais.

Os alimentos que estão sendo distribuídos vêm de estoques de MSF que já existiam e do Programa Mundial de Alimentos. No entanto, mais alimentos e água potável são necessários urgentemente, enquanto nossas equipes aguardam a chegada do avião neste sábado.

“Equipes extras e materiais-chaves devem chegar logo para nos ajudar a ampliar nossa intervenção”, afirmou Hugues Robert, chefe das operações de emergência em Genebra. “Nós tivemos discussões construtivas com as autoridades e o fato de que recebemos sinal verde para que o primeiro avião de carga aterrise neste sábado é positivo. Nós observamos o tamanho do estrago e o sofrimento é enorme. Mas não teremos como responder a essas necessidades enormes sem os suprimentos adicionais necessários e sem a chegada de mais equipes de emergência especializadas, particularmente profissionais de tratamento de água e saneamento”.

À medida que MSF aumenta suas atividades e começa a ver melhor a extensão e gravidade dos danos, o número de mortos e pessoas vulneráveis à exposição, fome e doenças, está claro que uma resposta mais intensa é necessária.

Ao todo, MSF tem 43 trabalhadores internacionais e mais de 1.200 nacionais trabalhando atualmente em Mianmar.