Você está aqui

Agora não é hora de questionar a assistência que salva vidas

29/10/2019
Ajuda humanitária é cada vez mais necessária e urgente no nordeste da Nigéria
Agora não é hora de questionar a assistência que salva vidas

Foto: Yuna Cho

O conflito no nordeste da Nigéria continua, com os estados de Borno, Adamawa e Yobe precisando de uma resposta humanitária maciça e sustentável. Uma década de conflito perturbou a vida de milhões de pessoas quase a um ponto em que a violência, o abuso e a privação se normalizaram. Médicos Sem Fronteiras (MSF) continua comprometida em oferecer assistência médica de alta qualidade à população do nordeste da Nigéria e enfatiza que a ajuda deve ser prestada de forma imparcial e neutra a todos os necessitados, de acordo com o Direito Internacional Humanitário.
 
As sérias necessidades médicas continuam generalizadas no nordeste da Nigéria, enquanto itens essenciais e água potável são escassos; somente no primeiro semestre de 2019, MSF recebeu mais de 15 mil pacientes em caráter de emergência, tratou mais de 8 mil pacientes com malária, garantiu 2.446 partos seguros e vacinou 9.117 pessoas contra o sarampo.
 
Os humanitários, por definição, se esforçam para alcançar as pessoas mais vulneráveis em necessidade. Hoje, no entanto, só conseguimos alcançar uma parte delas. Quase 1 milhão de pessoas permanecem em áreas sem acesso à assistência necessária devido a hostilidades em andamento, estradas intransitáveis ou restrições de movimento.
 
Dentro de áreas controladas pelo governo, centenas de milhares de pessoas vulneráveis dependem inteiramente da ajuda humanitária para a sobrevivência. As interrupções da assistência humanitária, incluindo a ajuda alimentar, têm consequências com risco de vida, principalmente para os mais vulneráveis. Isso, juntamente com a insegurança contínua na área que impede as pessoas de cultivar ou pescar, corre o risco de criar outra crise nutricional.
 
Mesmo que a população continue a suportar o peso do conflito de uma década, as organizações de ajuda humanitária enfrentam limitações para cuidar delas. A ajuda humanitária tem sido repetidamente direcionada durante todo o conflito, com trabalhadores humanitários mortos, bem como recentes suspensões forçadas de assistência vital em meio a acusações espúrias de ONGs que promovem o conflito.  
 
Trabalhadores de ajuda humanitária, equipe médica e civis em zonas de conflito não são parte no conflito, nem um alvo. 
Após a declaração divulgada em 25 de outubro pelo subsecretário-geral das Nações Unidas e chefe humanitário, MSF enfatiza que em tempos de conflito, a ajuda humanitária deve poder desempenhar seu papel de maneira independente, neutra e imparcial. Isso não apenas garante a qualidade da assistência, mas também protege os profissionais que estão na linha de frente. Esses princípios devem ser respeitados por todas as partes no conflito, pelas autoridades nigerianas, pelos representantes e agências das Nações Unidas e por organizações não-governamentais internacionais que trabalham no nordeste do país.
 
Hoje, a população do nordeste da Nigéria e as organizações humanitárias que procuram cuidar dela precisam de mais apoio do que nunca. Devemos reafirmar com urgência e coletivamente os fundamentos da ação humanitária e proteger o direito de qualquer indivíduo necessitado de receber assistência.
 
Desde o início do conflito no nordeste da Nigéria, em 2009, aproximadamente 35 mil pessoas foram mortas, enquanto 1,8 milhão de pessoas foram deslocadas de suas casas e outras 230 mil fugiram para os países vizinhos Chade, Camarões e Níger. MSF trabalha continuamente na Nigéria desde 1996.
 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar