Você está aqui

Afeganistão: MSF encerra atividades em Dasht-e-Barchi após ataque contra maternidade

16/06/2020
No dia 12 de maio, 25 pessoas foram mortas, entre elas mães, crianças e uma obstetriz de MSF
 Afeganistão: MSF encerra atividades em Dasht-e-Barchi após ataque contra maternidade

Foto: Frederic Bonnot/MSF

Médicos Sem Fronteiras (MSF) anunciou o encerramento das atividades e a retirada de suas equipes de Dasht-e-Barchi, em Cabul, no Afeganistão, após o brutal ataque do dia 12 de maio, no qual 16 mães foram assassinadas. Uma obstetriz de MSF, duas crianças de 7 e 8 anos de idade e outras seis pessoas presentes no momento do ataque também foram mortas.

Embora não saibamos quem foram os autores ou o motivo do ataque, sabemos que mães, bebês e a equipe de saúde foram alvos deliberados e que ataques semelhantes podem se repetir no futuro. Não podemos, portanto, continuar onde nossos pacientes e profissionais estão em risco.

Um mês após o terrível evento, ainda há poucas informações: o ataque não foi reivindicado, as autoridades afegãs culparam o Talibã – ou Emirado Islâmico do Afeganistão –, que, por sua vez, refutou e condenou a acusação, enquanto representantes de governos estrangeiros apontaram publicamente os grupos radicais como os perpetradores, como o Estado Islâmico - Khorasan.

Pacientes, profissionais de saúde e atividades humanitárias foram alvos de um ato de violência incontrolável. Esse ataque não pode ser encarado como um incidente trágico e isolado: a população hazara que vive na região foi vítima de uma série de ataques anteriores, assim como várias organizações humanitárias.

“Estávamos cientes de que nossa presença em Dasht-e-Barchi corria riscos, mas não imaginávamos que alguém se aproveitaria da vulnerabilidade de mulheres prestes a dar à luz para exterminar elas e seus bebês”, diz Thierry Allafort-Duverger, diretor-geral de MSF. "Mas aconteceu. Hoje, temos que encarar a realidade: muros mais altos e portas de segurança mais potentes não impedirão que ataques tão horríveis aconteçam novamente. Permanecer significaria considerar essa perda de vidas como um parâmetro da nossa atividade e isso é inconcebível.”

A decisão foi comunicada à nossa equipe, às autoridades nacionais de saúde e a outros parceiros. Nossa maior preocupação no momento é continuar dando o apoio necessário à nossa equipe, incluindo assistência psicológica. MSF também está buscando formas de prestar suporte adequado às famílias das pacientes mortas na maternidade. Embora a insegurança tenha provocado a saída de MSF de Dasht-e-Barchi, a organização está estudando maneiras de apoiar iniciativas locais destinadas a ampliar o acesso da população a cuidados de saúde.

O fim das atividades de MSF na maternidade Dasht-e-Barchi é uma decisão necessária, mas dolorosa, que trará consequências para mais de um milhão de pessoas que vivem na área. A maioria é da comunidade hazara, uma população historicamente marginalizada e pobre, em que muitos membros foram deslocados por décadas de conflito.

Realizamos quase 16 mil partos em 2019 na maternidade Dasht-e-Barchi – um dos maiores projetos de saúde materno-infantil do mundo. Ao pressionarem MSF a encerrar sua atividade no hospital, os agressores também deixaram mulheres e bebês sem acesso a cuidados médicos essenciais, em um país onde a mortalidade materna e neonatal permanece alta.
Mais de 70 profissionais e pacientes de MSF admitidos em programas de saúde da organização foram mortos no Afeganistão nos últimos 16 anos. Casos trágicos incluem o assassinato de cinco profissionais na província de Badghis, em 2004, e a destruição do hospital de MSF em Kunduz pela força aérea dos Estados Unidos, em outubro de 2015, quando 42 pessoas morreram.

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar