Você está aqui

5 depoimentos de psicólogos de MSF

27/08/2020
Em 27 de agosto, é celebrado o Dia do Psicólogo
5 depoimentos de psicólogos de MSF

Foto: Mariana Abdalla/MSF

Um psicólogo de Médicos Sem Fronteiras (MSF) lida com contextos de epidemias, conflitos armados, desastres naturais e crises de deslocamentos em massa. Cada situação exige da equipe de assistência psicológica diversas estratégias adaptadas à realidade local, para alcançar o maior número possível de pessoas. Ainda hoje, a saúde mental é estigmatizada por inúmeras populações, o que representa um desafio adicional à atuação desses profissionais. Leia abaixo o relato de cinco psicólogos de MSF que atuam em diferentes países:

1.    Anderson Beltrame – apoio a migrantes venezuelanos em Boa Vista, Roraima, Brasil

“A gente tem o primeiro eixo de trabalho [com crianças venezuelanas refugiadas], que é a questão da identidade, da família, da autoestima. E o segundo eixo é pensar na inclusão, no pertencimento deles a essa nova cultura. E considerando a exposição e a vulnerabilidade, tanto no trajeto quanto aqui, trabalhamos com eles ferramentas de proteção e prevenção de abuso.”

 


2.    Greg Kavarnos - clínica de Saúde Mental de MSF em Lesbos, na Grécia

"As restrições de movimento [durante a pandemia] para migrantes e refugiados no campo afetaram drasticamente a saúde mental de meus pacientes. Se você e eu nos sentimos estressados e facilmente irritados durante o período de bloqueio em nossas casas, imagine como as pessoas que passaram por experiências muito traumáticas se sentem agora que precisam ficar trancadas em um acampamento como Moria. Um lugar onde não podem encontrar um espaço privado e têm que ficar sempre na fila, por comida, banheiro, água, tudo.”

 


3.    Tasneem -  abrigos em Joanesburgo, na África do Sul

"O entendimento e a aceitação de doenças mentais continuam a variar entre diferentes populações. Fatores como gênero, cultura, idade e aceitação geral da comunidade, entre outros aspectos, continuam afetando a maneira como as pessoas compreendem a situação. A possibilidade de que, de alguma maneira, faça a vida de um indivíduo parecer mais fácil me faz continuar.”

 


4.    Tanya Morshed – campos de refugiados rohingyas em Dhaka e Cox’s Bazar, em Bangladesh

“A maioria dos nossos pacientes exibe sinais visíveis de estresse mental e trauma. Outros, que sofrem de depressão, transtornos de estresse pós-traumático, psicose e esquizofrenia, passam despercebidos por sua comunidade. A necessidade de cuidados de saúde mental muitas vezes não é compreendida pelos pacientes que precisam. Muitos são encaminhados a conselheiros de saúde mental apenas quando buscam nossas unidades de saúde para tratamento médico de doenças físicas.”

 



5.    Myriam Francis – clínica de MSF em Wadi Khaled, no Líbano

“Quando começamos a fornecer serviços de saúde mental aqui em 2016, fizemos muito trabalho de divulgação. Ninguém sabia sobre os serviços que estávamos prestando, então tínhamos que ir até a comunidade, conversar com as pessoas para que soubessem o que estávamos fazendo. Foi uma experiência muito interessante, porque pudemos ver e compreender melhor o contexto e as condições em que viviam, a própria razão pela qual alguns deles realmente precisavam de suporte de saúde mental. Com o passar do tempo, começamos a atender cada vez mais pacientes. Vejo diariamente como os serviços de saúde mental fazem a diferença para as pessoas que atendo.”



 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar