Você está aqui

3 perguntas sobre os desafios do tratamento do câncer no Mali

18/11/2021
Desde 2018, MSF oferece cuidados para os cânceres de mama e colo do útero em Bamako
3 perguntas sobre os desafios do tratamento do câncer no Mali

Foto: Mohamed Dayfour

Alice Authier, coordenadora do projeto de oncologia de Médicos Sem Fronteiras (MSF) no Mali, descreve as dificuldades para o rastreamento e tratamento do câncer no país. Desde 2018, as equipes de MSF uniram forças com o Ministério da Saúde do Mali para ajudar pacientes com câncer de mama e colo do útero.
 
1. Durante a campanha do Outubro Rosa, MSF e seus muitos parceiros examinaram mais de 5 mil mulheres em Bamako para o câncer de mama e colo do útero. Que tipo de suporte nossas equipes são capazes de fornecer?
 
Nosso objetivo é desenvolver um projeto com as autoridades do Mali para garantir que todas as mulheres com suspeita de câncer de mama ou de colo do útero tenham acesso a exames, diagnósticos e tratamentos. O diagnóstico precoce, principalmente no caso do câncer de mama, é essencial para aumentar as chances de sobrevivência e garantir o acesso rápido ao tratamento. Essa é a mensagem repetida continuamente por todas as associações, profissionais de saúde e voluntários que participaram do Outubro Rosa em Bamako.
 
Organizamos campanhas de informação, doamos equipamentos, como pinças de biópsia, e prestamos assistência técnica a obstetrizes e enfermeiros nos centros de saúde de Bamako. Também cobrimos os custos de mamografias, exames adicionais, imagens médicas e acompanhamento de pacientes durante o tratamento.
 
Todas as amostras e espécimes são enviadas ao laboratório de anatomopatologia (exame de alterações anormais em células e tecidos) do Hospital Point G, o único laboratório com financiamento público do país com as instalações necessárias para diagnosticar o câncer. Ajudamos a reformar e equipar o laboratório e continuamos nosso trabalho lá para garantir que os diagnósticos sejam precisos e rápidos. Dependendo dos resultados, oferecemos terapias específicas aos pacientes.

Foto: Mohamed Dayfour

2. Quais são essas terapias e quais pacotes de cuidados aos pacientes estão disponíveis?
 
Há três terapias que, dependendo do estágio do câncer, podem ser usadas em conjunto ou separadamente. São elas: cirurgia, quimioterapia e radioterapia. Uma equipe médica conjunta de MSF e do Ministério da Saúde oferece sessões de quimioterapia no departamento de oncologia e hematologia do Hospital Point G. Em 2020, foi um total de 3 mil sessões. Também reformamos uma sala de preparo de quimioterápicos para melhorar os padrões de segurança. E, quando o governo fica sem medicamentos, nós os fornecemos para que pacientes tenham acesso a tratamento gratuito. Também pagamos para que nossas pacientes façam cirurgias nos hospitais Point G e Gabriel Touré, pois é essencial que possam iniciar o tratamento o mais rápido possível. Vencer a doença é uma corrida contra o tempo.
 
A radioterapia, que costuma ser usada para tratar o câncer de mama e do colo do útero, está disponível no Hospital do Mali. O hospital tem a única máquina de radioterapia do Mali e, como o país tem uma população de mais de 20 milhões, não é suficiente para tratar todos os pacientes. Os tempos de espera podem ser longos e as avarias são comuns.  Também é importante ressaltar que a radioterapia não deve ser interrompida porque os efeitos podem ser mais prejudiciais do que se o paciente nunca a tivesse iniciado.

Foto: Mohamed Dayfour

3. Quais são os próximos passos para o projeto de oncologia no Mali?
 
Os cuidados paliativos, o tratamento da dor, o apoio psicológico e social, os cuidados com feridas malignas - inclusive em casa - continuam a ser uma parte importante do nosso trabalho com os pacientes.
 
Planejamos fazer ainda mais para informar as mulheres e suas famílias sobre a importância de serem examinadas e as diferentes opções de tratamento disponíveis. Também precisamos aumentar o rastreamento sistemático do câncer de mama e do colo do útero nas consultas médicas de rotina. Queremos, agora, ir mais longe do que Bamako e iniciar atividades semelhantes em outras regiões do país.
 
Construir cuidados multidisciplinares para o câncer com as autoridades de saúde, associações e sociedade civil do Mali e facilitar o acesso de pacientes a vias de tratamento, radioterapia, em particular, são prioridades para os próximos anos.

Foto: Mohamed Dayfour

Como parte do projeto, entre janeiro e junho de 2021, 166 mulheres foram diagnosticadas com câncer de mama e 126 com câncer cervical. Desde o início do ano, as equipes de MSF forneceram suporte e cuidados paliativos a mais de mil pacientes. Os serviços incluem visitas domiciliares, apoio psicológico e social (para pacientes e seus familiares) e consultas de saúde mental.





 

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar