Você está aqui

A primeira vez com MSF

29/08/2014

Minha primeira participação em projeto com Médicos Sem Fronteiras foi no Malauí, pequeno país localizado na África subsaariana. A experiência incrível! No distrito de Chiradzulu, onde fui muito bem recebida, o povo é amigável e receptivo! Eu era responsável por supervisionar dois centros de saúde, com clínicas para atendimento de pessoas vivendo com HIV.  O deslocamento até essas instalações de saúde era relativamente longo, de uma hora, e a estrada era bem esburaca, mas os colegas da equipe nacional que iam junto comigo sempre tinham histórias para contar, ou até mesmo profundas discussões sobre temas variados. Eu aproveitava esses momentos para aprender sobre a cultura e contar um pouco do meu país.

Os centros de saúde, em geral, seguiam o mesmo padrão, uns maiores outros um pouco menores, mas havia sempre um pronto atendimento, a sala de vacinação, atendimento pré-natal – por vezes, até maternidade - clínica de HIV, sala para atendimento de tuberculose, janela para dispensação de medicamentos... Gostava muito de ser envolvida nas atividades dos centros de saúde, pois foi ali que mais aprendi e vivenciei os melhores momentos. Apesar de ser um ambiente para tratamento da saúde, pairava uma atmosfera leve, que parecia até amenizar os problemas daquela população. A alegria deles é de impressionar, e chega a ser contagiante. Isso realmente me marcou. Por vezes, me deparava com situações bem difíceis, como as que enfrentam os pacientes com o Sarcome de Kaposi, tipo de câncer que pode acometer pessoas com HIV, e, mesmo sem conseguir andar direito, eles se diziam felizes por irem ao centro de saúde receber a atenção da nossa equipe.

Deixei o Malauí após sete meses de trabalho, de janeiro a julho de 2014, com muita tristeza, pois realmente me senti parte daquele mundo. Se pude deixar minha marca de alguma maneira, não sei, mas fui marcada para sempre, disso tenho certeza! Zikomo Malawi! (Obrigada, Malauí em Chichewa, língua local)

Minha expectativa agora é continuar com o trabalho humanitário, buscando diferentes experiências.

Leia outros diários relacionados