Você está aqui

À margem do rio: atendimento em lugares remotos após o ciclone Idai

A enfermeira Cacy Rodrigues Lima conta sua experiência em Moçambique depois de um desastre natural

21/02/2020
À margem do rio: atendimento em lugares remotos após o ciclone Idai

Foto: Acervo Pessoal

A região onde estive em Moçambique com Médicos Sem Fronteiras (MSF) por três meses, em resposta ao ciclone Idai em 2019, se chama Sofala. É uma província a 400 quilômetros de Beira, onde ficava a coordenação do projeto.

No total atendíamos em cinco localidades, todas bem distantes do centro de Beira. Fazíamos um longo percurso, todos os dias, que levava em média quatro horas (ida e volta), por estradas muito ruins. Felizmente, nossos carros aguentavam qualquer estrada. Como gerente de atividades de enfermagem, tive como objetivos preparar, organizar, treinar equipes e levar assistência para as pessoas nesses lugares.

O meu primeiro desafio no projeto foi encontrar a casa onde seria nossa base de trabalho. Nós precisávamos nos estabelecer em algum lugar que nos desse acesso aonde iríamos apoiar a população que foi retirada das margens do rio depois do ciclone. A cidade não tinha casas disponíveis. A única casa que encontramos, à beira do rio, era bastante rústica e do tempo colonial. Não havia água na torneira e os banheiros ficavam do lado de fora. Felizmente, com a ajuda do gerente de logística, as obras começaram assim que alugamos a casa e o básico necessário para morarmos foi providenciado, embora a água ainda não saísse das torneiras. Tínhamos um grande depósito de água e, com baldes, usávamos o banheiro e lavávamos as louças. Só conseguimos ter acesso a água encanada após a chegada do especialista em água e saneamento, um mês e meio depois.

Enquanto isso, eu e a equipe de administração do projeto fomos responsáveis pela contratação do pessoal de enfermagem, médicos assistentes, distribuidores de medicamentos, psicólogos, entre outros. Nosso propósito era levar cuidados de saúde primária a uma população que perdeu tudo e foi privada de tudo, até mesmo de água.

Em um mês e meio tudo ficou pronto para sairmos com as clínicas móveis.

Tive uma ótima impressão da população. Todos foram pacientes, ouviam as orientações e depositaram confiança em nossos profissionais locais. Foi extremamente gratificante e comovente ver como nossa equipe se empenhou em levar atendimento responsável e de qualidade para a população. Ela foi incansável. Diariamente, o número de atendimentos variava entre 100 e 200 pessoas. Todo mundo era atendido individualmente, com respeito e carinho. Eu fiquei muito orgulhosa de ter selecionado estas pessoas. Elas respeitaram os princípios de MSF e sentiram orgulho de trabalhar conosco.

Para mim, a maior dificuldade foi ser a única pessoa de fora do país durante esses três meses. Tivemos dois especialistas em água e saneamento internacionais que passaram por lá rapidamente.

A atuação de MSF trouxe considerável benefício para a população. Muitos casos de HIV foram diagnosticados, tratamentos foram iniciados, crianças desnutridas receberam atendimento, muitas mulheres tiveram acesso a planejamento familiar, pacientes hipertensos e diabéticos começaram tratamentos aos quais não tinham acesso e casos mais graves foram encaminhados para hospitais locais.

A nossa atuação foi vital para esta população.

Obrigada, MSF, por ter me dado esta oportunidade.

Leia outros diários relacionados

MSF usa cookies neste site para melhorar sua experiência.
Saiba mais na

Política de Privacidade. Aceitar