Você está aqui

Desnutrição

Nove crianças morrem a cada minuto devido à falta de nutrientes essenciais em suas dietas. O cenário continuará o mesmo a menos que a ajuda alimentar mude.

A desnutrição afeta principalmente crianças e resulta da falta de nutrientes, vitaminas e minerais. Em lugares onde pode se tornar grave, a abordagem de Médicos Sem Fronteiras é preventiva. MSF já incluiu mais de 340 mil crianças em programas nutricionais

Quando crianças sofrem de desnutrição grave, seus sistemas imunológicos ficam tão debilitados que se amplia imensamente o risco de morte. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a desnutrição é a maior ameaça ao sistema de saúde público mundial, com mais de 178 milhões de crianças desnutridas no mundo.

A idade crítica para desnutrição é dos seis meses – quando as mães geralmente começam a complementar a alimentação do leite materno – até os 24 meses. Entretanto, crianças com menos de cinco anos, adolescentes, mulheres grávidas ou em período de amamentação, idosos e pessoas com doenças crônicas também são consideradas vulneráveis.

As pessoas ficam desnutridas se não conseguem absorver suficientemente ou utilizar os nutrientes dos alimentos ingeridos devido a doenças como a diarreia ou outras de mais longo prazo, como o sarampo, HIV e tuberculose.

Estimamos que apenas 3% das 20 milhões de crianças com desnutrição aguda grave recebem o tratamento necessário para salvar suas vidas.

O que causa a desnutrição?
Leite materno é o único alimento de que uma criança precisa em seus primeiros seis meses de vida. Depois disso, somente o leite materno não é mais suficiente. As dietas durante esse estágio devem oferecer a correta combinação de proteínas de alta qualidade, gorduras e carboidratos essenciais, vitaminas e minerais.

Na região do Sahel, no Chifre da África e em algumas regiões do sul da Ásia, alimentos altamente nutritivos como leite, carnes e peixe são escassos.

Para uma criança com menos de dois anos de idade, a dieta tem um impacto profundo em seu desenvolvimento físico e mental. Crianças desnutridas com menos de cinco anos de idade têm o sistema imunológico gravemente fragilizado e são menos resistentes às doenças comuns da infância.

É por isso que um simples resfriado ou uma crise de diarreia pode matar uma criança desnutrida. Das oito milhões de crianças que morrem com menos de cinco anos, a desnutrição é responsável por pelo menos 1/3 delas.

Sintomas da desnutrição
É compreensível que o sinal mais comum de desnutrição seja a perda de peso. Esse fator pode também ser acompanhado pela falta de força e energia e a incapacidade de realizar tarefas rotineiras. Pessoas desnutridas desenvolvem anemia com frequência e, por isso, sentem falta de ar e de energia.

Em crianças, sinais de desnutrição podem envolver a incapacidade de concentração, o aumento da irritabilidade e o crescimento atrofiado. Em casos de desnutrição aguda grave, podem ocorrer inchaços do estômago, da face e das pernas, além de mudança na pigmentação da pele.

Diagnosticando a desnutrição
A desnutrição é diagnosticada quando comparados o peso e a altura padrão de uma dada população ou pela medição da circunferência da parte superior do braço de uma criança por um bracelete, chamado MUAC.

Se as deficiências da dieta persistirem, as crianças param de crescer e tornam-se atrofiadas, o que faz com que tenham baixa estatura para suas idades. Isso é diagnosticado como desnutrição crônica.

Se ocorrer perda de peso ou ‘emaciação’ – baixo peso para determinada altura –, eles são diagnosticados com desnutrição grave. Isso acontece quando uma pessoa desnutrida começa a consumir seus próprios tecidos corporais para obter os nutrientes de que necessita.

Na forma aguda e grave da desnutrição, crianças com kwashiorkor – estômago distendido – podem ser clinicamente diagnosticadas com inchaço corporal, irritabilidade e mudanças na pigmentação da pele.

Tratando a desnutrição
Acreditamos que o alimento terapêutico pronto para o uso (RUTF, em inglês) seja a forma mais efetiva para tratar a desnutrição. O RUTF contempla todos os nutrientes que uma criança necessita para o seu desenvolvimento, e ainda ajuda a reverter deficiências e ganhar peso. O RUTF não precisa de água para o preparo, o que elimina o risco de contaminação por doenças transmitidas pela água.

Por causa de sua embalagem, o RUTF pode ser usado em todos os tipos de contextos e estocado por longos períodos. A menos que o paciente sofra com graves complicações, o alimento também permite que as pessoas sejam tratadas em casa.

Em lugares onde a desnutrição pode se tornar grave, a abordagem de MSF é preventiva, com a distribuição do RUTF suplementar para crianças em situação de risco.

Em 2012, MSF incluiu 347.800 crianças desnutridas em programas nutricionais.

Esta página foi atualizada em maio de 2013.