Você está aqui

República Democrática do Congo

República Democrática do Congo

Em 2016, um surto de febre amarela afetou todas as províncias que fazem fronteira com Angola. MSF apoiou o Ministério da Saúde em uma resposta emergencial em massa e vacinou mais de 1 milhão de pessoas. Na província de Haut-Uélé, MSF também colaborou com o Ministério da Saúde no tratamento de mais de 84 mil pacientes em um surto de malária. O Pool d’Urgence do Congo respondeu a 26 emergências ligadas a cólera, sarampo, febre tifoide e pessoas deslocadas, alcançando 330 mil pessoas.

No Kivu do Norte, MSF apoia o principal hospital de referência e os centros de saúde periféricos para atender as pessoas afetadas pela violência recorrente. Quase 35 mil crianças sofrendo de desnutrição e/ou doenças foram admitidas em hospitais apoiados por MSF; mais de 270 mil consultas ambulatoriais foram feitas apenas na área de Mweso, sendo metade delas para malária; e mais de 7.500 cirurgias foram feitas no hospital de Rutshuru. Entre março e junho, MSF respondeu a uma emergência de nutrição em Lubero, tratando mais de 600 crianças gravemente desnutridas. Em 2016, o número de pacientes de HIV/AIDS atendidos em cinco unidades de saúde de Goma apoiadas por MSF superou 2.600. MSF também atendeu mais de 700 pacientes em um surto de cólera.

No Kivu do Sul, MSF apoia dois hospitais, diversas unidades de saúde da periferia e diferentes centros comunitários de malária e desnutrição. Mais de 284 mil consultas ambulatoriais foram realizadas, 10.800 pessoas foram admitidas nos hospitais, mais de 10.700 crianças desnutridas foram tratadas e mais de 10 mil partos foram auxiliados. Em Baraka, uma unidade com 100 leitos construída por MSF está em plena operação novamente e foram montados mais centros nas comunidades para tratar 200 mil crianças com malária, pneumonia e diarreia. Os profissionais realizaram mais de 450 mil consultas ambulatoriais e internaram mais de 17 mil pacientes. As equipes de MSF continuam a apoiar unidades de saúde em Lulimba, Misisi e Lubondja. Neste ano, foram abertos mais centros nas comunidades e realizadas quase 200 mil consultas ambulatoriais, incluindo 131.322 casos de malária. Os profissionais também trataram 395 pacientes com tuberculose (TB) e 384 com HIV.
 
No início de 2016, MSF inaugurou um projeto para ajudar vítimas de violência sexual na região de Mambasa. As equipes atenderam mais de 1.110 vítimas e trataram 11.900 pacientes com infecções transmitidas sexualmente em nove centros de saúde apoiados. No geral, as equipes cuidaram de 3.300 pacientes nas unidades de emergência e tratamento intensivo e mais de 280 vítimas de violência sexual. Mais de 600 partos foram auxiliados em Boga e mais de 2.200 crianças foram internadas na pediatria do hospital de Gety. Em Haut-Uélé, mais de 84 mil pacientes foram tratados de malária durante um surto. Em Nyunzu, MSF respondeu a um surto de sarampo e vacinou cerca de 90 mil crianças. No fim de agosto, MSF repassou suas atividades para as autoridades de saúde no território de Shamwana. Nos últimos meses, 34 mulheres foram tratadas de fístula vesico-vaginal. O projeto de MSF em Bili e Bossobolo continuou a oferecer atendimento a refugiados da República Centro-Africana. Mais de 80 mil consultas foram realizadas e 9.300 pacientes foram internados nos hospitais apoiados por MSF.

MSF oferece atendimento médico e psicossocial abrangente a pessoas com HIV/AIDS da capital, Kinshasa. Os profissionais criaram procedimentos inovadores, como grupos comunitários de pacientes e a entrega de suprimentos de antirretrovirais para três meses de tratamento. Em 2016, 2.500 pacientes com HIV avançado foram internados e 68 mil consultas foram realizadas. Até o fim do ano, MSF apoiou 10 unidades de saúde para tratar 160 pacientes feridos durante protestos.

Em 11 de julho de 2013, quatro profissionais de MSF foram sequestrados em Kamango, no leste da RDC, onde faziam uma avaliação de saúde. Uma entre eles, Chantal, conseguiu fugir em agosto de 2014, mas ainda estamos sem notícias de Philippe, Richard e Romy.

Confira o álbum de fotos sobre a região de Grande Kasai no centro da República Democrática do Congo:

Convivendo com a violência na República Democrática do Congo

MSF atua no país desde 1981.

 

Notícias

Início da Atuação: 
1981
Atividades Médicas: 
Cólera
HIV/Aids
Malária
Sarampo
Doença do sono
Desnutrição