Você está aqui

Costa do Marfim

Costa do Marfim

Em decorrência da alta na mortalidade materna¹,  Médicos Sem Fronteiras (MSF) trabalha com o Ministério da Saúde da Costa do Marfim para melhorar a saúde de mães e crianças.

Na região de Hambol, cerca de 50% das mulheres têm seus partos em casa, e um estudo realizado em março de 2015 pelo Epicentre, centro de pesquisa epidemiológica de MSF, revelou níveis significativos de mortalidade materna².

Katiola é a principal cidade da região de Hambol e MSF mantém ali, em parceria com o Ministério da Saúde, um programa no hospital regional. MSF oferece recursos e apoio técnico, possibilitando que o hospital mantenha em funcionamento uma ala de atendimento emergencial obstétrico e neonatal para casos complicados de alta qualidade. MSF administra a maternidade, com 20 leitos, três leitos da unidade de terapia intensiva, dois centros cirúrgicos e 10 leitos neonatais.

Em 2015, a instalação funcionou como hospital de encaminhamento para 98 mil mulheres em idade reprodutiva, 14.800 gestantes e 14 mil recém-nascidos. Funcionários cuidaram de 755 emergências obstétricas, gestações de alto risco e partos complicados, lidaram com 600 emergências ginecológicas e auxiliaram em 2.600 partos, dos quais 374 exigiram cesarianas.

Desde maio, MSF tem apoiado e aprimorado (por meio da reforma das instalações, do equipamento médico e do treinamento de funcionários) as unidades básicas de atendimento emergencial neonatal e obstétrico em regiões distantes, para garantir às mães e crianças maior facilidade de acesso ao atendimento médico de qualidade. Além disso, MSF tem trabalhado para melhorar a gestão de partos simples e os encaminhamentos a Katiola. Na segunda metade do ano, profissionais de dois centros de saúde distantes trataram 106 mulheres durante emergências obstétricas, gestações de alto risco ou partos complicados, bem como 28 emergências ginecológicas. Eles ajudaram em mais de 400 partos, encaminhando cerca de 50 pacientes à maternidade em Katiola.

MSF atua no país desde 1990.
 

__________________________________________________________________________________

[1] De 543 mortes por 100 mil nascidos vivos em 2005 para  614 mortes por 100 mil nascidos vivos em 2012 (Enquête Démographie et de Santé et à Indicateurs Multiples de 2011–2012 (EDSCI-III))
[²] 660 mortes por 100 mil nascidos vivos (Epicentre)