Você está aqui

Afeganistão

Afeganistão

Depois que um ataque aéreo militar dos EUA destruiu seu centro de trauma em Kunduz, matando 42 pessoas em outubro de 2015, MSF se envolveu em negociações com todas as partes do conflito para garantir a neutralidade do atendimento médico. No fim de 2016, MSF finalmente obteve compromissos de que sua equipe e seus pacientes seriam respeitados e que poderia prestar atendimento a todas as pessoas que precisassem, independentemente de sua etnia, crenças políticas ou alianças. Com isso, MSF avalia a possibilidade de retomar as atividades no centro de trauma em 2017.

A capital Kabul passa por um expressivo crescimento da população e o sistema de saúde pública da cidade não atende às necessidades médicas. O hospital distrital Ahmad Shah Baba atende mais de 1,2 milhão de pessoas. O foco são serviços de emergência e saúde materna, mas nossa equipe também realiza atendimento pediátrico, tratamento para desnutrição, planejamento familiar, promoção da saúde e vacinação. MSF apoia ainda o laboratório do hospital, os serviços de raio-X e o programa de tratamento de tuberculose. Em 2016, MSF aumentou a capacidade do hospital de 46 para 62 leitos e começou a reformar os edifícios. A equipe realizou 100 mil consultas e auxiliou em 18.966 partos, quase 20% a mais que em 2015. MSF também começou um novo programa para o tratamento de doenças crônicas não transmissíveis, atendendo 600 pacientes.

MSF colabora com o Ministério da Saúde Pública para fornecer atendimento 24 horas no hospital Dasht-e-Barchi, a única unidade para partos emergenciais e complicados do distrito. MSF administra as salas de parto e pré-parto, um centro cirúrgico para cesarianas e partos complicados, uma sala de recuperação, uma unidade materna de 30 leitos, uma unidade neonatal de 20 leitos e uma “sala canguru” de cinco leitos. Além disso, MSF realiza vacinação e administra o laboratório, o banco de sangue e a unidade de esterilização. Em 2016, nossos profissionais auxiliaram em 15.627 partos, dos quais quase 27% eram casos complicados. Trabalhando com capacidade máxima, a unidade neonatal recebeu 1.342 bebês com complicações.

Em 2012, MSF inaugurou um hospital maternidade em Khost, no leste do Afeganistão, para suprir a falta de atendimento obstétrico na região. O número de partos aumentou em 40% em dois anos, de 15.204, em 2014, para 21.335, em 2016. Em dezembro, o número de partos chegou a 1.905, uma média de 60 por dia. Em 2016, 1.746 recém-nascidos foram internados na unidade neonatal. MSF também começou a apoiar três centros de saúde em distritos afastados da província de Khost para aumentar a capacidade de realizar partos normais.

Desde 2009, MSF auxilia o hospital de província Boost, um dos três únicos hospitais de referência no sul do Afeganistão. Em 2016, a equipe concluiu a reforma de todo o prédio original do hospital e ampliou a maternidade. A capacidade do hospital aumentou de 150 para 327 leitos e o número de internações mensais passou de 120, em 2009, para uma média de 2.750. A equipe também auxiliou em 10.572 partos. O hospital tem uma unidade neonatal e uma pediatria com 109 leitos, que inclui um centro de nutrição terapêutica com internação, onde 2.431 crianças foram tratadas de desnutrição em 2016. MSF também apoia o departamento de clínica médica, a unidade de tratamento intensivo e a emergência. Além disso, nossas equipes monitoram casos de tuberculose (TB) e trabalham nas enfermarias isoladas para doenças infecciosas. Em 2016, MSF começou a apoiar o diagnóstico e o tratamento de TB resistente a medicamentos (DR-TB) e inaugurou um laboratório e instalações para receber os pacientes durante seu tratamento na cidade de Kandahar. Durante o último trimestre do mesmo ano, 13 pacientes foram diagnosticados com TB multi-resistente a medicamentos.

Um quarto de todos os partos assistidos por MSF em todo o mundo ocorre no Afeganistão. Nossas equipes auxiliaram no nascimento de mais de 66 mil bebês em 2016. MSF atua no país desde 1980.
 

Notícias

Diário de Bordo

Afeganistão
Início da Atuação: 
1980
Atividades Médicas: 
Saúde mental
Desnutrição