Você está aqui

República Democrática do Congo: luta contínua em Ituri força a fuga de mais 35 mil pessoas

06/01/2003
Grandes áreas permanecem inacessíveis à ajuda humanitária enquanto a violência se agrava. Apesar dos recentes acordos de paz e de cessar-fogo, o conflito atual no Leste do Congo ainda está privando civis de qualquer ajuda.

República Democrática do Congo (RDC) – Enquanto o conflito continua a destruir a parte leste da RDC, cerca de 35 mil pessoas fugiram de disparos de artilharia pesada ao redor da cidade de Makeke, na divisa entre Kivu Norte e Ituri, para a cidade de Beni no dia 31 de dezembro. MSF está presente na área de Beni desde o início de dezembro e já testemunhou a chegada de dezenas de milhares de deslocados, buscando refugio da guerra.

No início de dezembro, MSF abriu dispensários para a população deslocada no norte da cidade de Beni no leste da RDC. Os dispensários originalmente ofereciam cuidados de saúde a 25 mil pessoas, incluindo deslocados de guerra que há anos não têm acesso a cuidados de saúde. Hoje, os dispensários tratam 60 mil pessoas, que fogem diariamente dos níveis extremos de violência na província de Ituri.

Desde dezembro, as equipes de MSF prestaram consultas médicas a cerca de 7.500 pessoas em seis cidades do eixo Beni-Mambassa. Os postos de saúde que MSF reabriu durante esse período estão com a ocupação muito além de sua capacidade, e MSF continua montando hospitais em tendas. Em menos de um mês, as equipes de MSF trataram 33 crianças sofrendo de desnutrição aguda e 13 vítimas de violação sexual. Em Mangina, onde surgiu um surto de Sarampo, MSF está vacinando todos os pacientes durante as consultas, uma vez que a população deslocada não era vacinada há anos.

A violência atual na região tem impedido que as equipes de saúde de MSF tenham acesso a grande parte da população.

“Nós só vemos parte da população deslocada”, disse Philippe Hamel, coordenador geral de MSF no local. “Deve haver muito mais. Nós tememos que no total sejam mais de 155 mil deslocados apenas na área entre Butembo, Beni, Mambassa e Komanda.”

MSF deseja expandir rapidamente sua operação de emergência na área.

Grandes áreas permanecem inacessíveis à ajuda humanitária devido à escalada da violência e da guerra. Apesar da assinatura de um acordo de paz no âmbito nacional, do cessar-fogo entre governo e principais movimentos rebeldes no dia 17 de dezembro e ainda de um acordo de cessar-fogo especial para Ituri assinado no último domingo, a guerra no Leste da RDC ainda está privando civis de qualquer ajuda médica e de emergência.

Em outras áreas do Leste do Congo, a violência ainda continua apesar dos acordos de cessar-fogo. O conflito na área de Uvira, Kivu Sul, na semana passada, levaram dois terços da população para fora da cidade. MSF, que havia começado a apoiar os serviços do hospital local, teve que suspender as atividades temporariamente.

Leia mais sobre