Você está aqui

Médicos Sem Fronteiras firma parceria com Fiocruz

24/09/2012
Acordo vai permitir trocas de experiências que devem contribuir para redução de mortes causadas por doenças negligenciadas

A organização médico-humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Fiocruz assinaram nesta segunda-feira (24 de setembro) um acordo de cooperação bilateral para os próximos cinco anos. A parceria prevê ações de apoio técnico, que envolvem qualificação, treinamento, pesquisa operacional e elaboração de materiais científicos.

“Esse acordo referenda uma parceria de longa data entre as duas instituições, que já desenvolveram trabalhos em conjunto em muitas ocasiões. Será um intercâmbio de saberes, que permitirá que MSF complemente a experiência de 25 anos trabalhando em campo com a experiência de pesquisa da Fiocruz”, afirma Mauro Gonçalves Nunes, presidente do Conselho Administrativo de MSF.

O acordo vai concretizar e expandir iniciativas que já estavam sendo desenvolvidas entre as duas instituições, como o curso de dengue e Chagas, além de abrir novas possibilidades de atuação.

O treinamento em dengue e doença de Chagas, que vem sendo realizados há dois anos no Brasil, por exemplo, poderá ser levado aos países onde MSF tem projetos. “Essa cooperação vai permitir que MSF e Fiocruz desenvolvam atividades conjuntas no Brasil e no exterior, principalmente na África. “Com a união da expertise das duas organizações vamos contribuir para reduzir a mortalidade por doenças negligenciadas em diversos países”, disse o presidente da Fiocruz, Paulo Gadelha.

Para a diretora da unidade médica de MSF-Brasil, Carolina Batista, esse modelo de cooperação pode se tornar um exemplo internacional. “Muitos países possuem instituições de pesquisas e as organizações humanitárias poderiam procurá-las para parcerias semelhantes”, afirmou.

O acordo prevê também que MSF compartilhe com a Fiocruz sua experiência com desastres naturais e vigilância epidemiológica de pandemias e epidemias. “Esse conhecimento será fundamental para a consolidação do Centro de Estudos e Pesquisas para a Redução de Desastres Naturais (CEPED), que a Fiocruz está construindo”, disse Gadelha.    

A parceria prevê ainda a produção de publicações científicas sobre as experiências de MSF em diferentes contextos e o compartilhamento de experiências positivas. “Teremos a possibilidade de compartilhar de forma sistemática experiências que funcionaram bem nas duas instituições”, afirmou Tyler Fainstat, diretor executivo de MSF-Brasil.

Tyler aproveitou a cerimônia de assinatura para agradecer a Fiocruz em nome dos pacientes atendidos pela organização. “São eles os reais beneficiários.”