Você está aqui

Epidemia de cólera entre deslocados no Burundi

27/07/2002
Epidemia de cólera entre deslocados no Burundi

Desde o dia 17 de junho, equipes de saúde de MSF no Burundi vêm trabalhando contra o surto de cólera entre a população. Até o dia 22 de julho, MSF prestou assistência a um total de 359 casos confirmados; até agora, 5 pessoas morreram.

A maioria dos pacientes são pessoas deslocadas da região rural de Bujumbura – principalmente do distrito de Gihosha – e eles estão sendo tratados na ala de isolamento no Centro de Tratamento de Cólera de MSF (CTC) em Kamenge (um outro distrito rural de Bujumbura), onde 100 novos leitos estão disponíveis. O tratamento de cólera geralmente leva alguns dias por paciente.

“Nossas equipes de saúde estão tratando pacientes em Bujumbura”, disse Stéphane Goetghebeur, coordenador de MSF no Burundi. “Ao mesmo tempo, nós estamos monitorando a situação em outros lugares, como, por exemplo, Bubanza e Cibitoke, onde há suspeita de novos casos, e nós estamos prontos para estender nossa assistência, se considerarmos necessário”.

Até agora, a ação de MSF incluiu a instalação de duas caixas d’água nas áreas mais afetadas, que proporcionam um total de 30 mil litros de água potável, e a distribuição de recipientes com água e sabão para a população.

Desde o dia 25 de junho, MSF também lançou um procedimento de higiene para todos os novos casos, que inclui a triagem de possíveis casos entre as pessoas próximas ao paciente, assim como a desinfecção das casas – com atenção especial aos chuveiros, banheiros e utensílios de cozinha –, usando uma solução de cloro.

“As medidas de prevenção ainda não barraram a epidemia. Este surto de cólera é diretamente relacionado à distribuição de água. Além desses casos identificados em junho, o aumento do número de pacientes aconteceu depois do corte no abastecimento de água do dia 9 de julho em Bujumbura", disse Goetghebeur. “As medidas tomadas desde então para disponibilizar água potável à população farão com que MSF delimite o problema e mantenha a epidemia sob controle”.

A maioria das pessoas que chega nos nossos centros de tratamento sofre de desidratação moderada ou severa, diarréia e vômito e, neles, são re-hidratadas. Quando necessário, são tratadas com antibióticos. MSF está coordenando atualmente a intervenção de saúde no combate à cólera, mantendo os representantes da OCHA (Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos Assuntos Humanitários) diariamente informados e trabalhando com o Ministério da Saúde, as autoridades sanitárias, ECHO (Gabinete de Ajuda Humanitária da União Européia) e outras organizações de ajuda presentes no país.

Nos últimos dias, 18 casos suspeitos de meningite também foram registrados na província de Ngozi, 126 Km a nordeste de Bujumbura. Se estes casos forem confirmados, MSF irá propor a assistência de sua equipe de saúde no terreno para lidar com ambas epidemias.

A cólera está se alastrando pelo Burundi em uma época de tensão política crescente, com lutas entre os rebeldes e o exército acontecendo regularmente em diversos locais do país. Por causa dos conflitos que acontecem em grande parte das áreas rurais do Burundi, a maioria da população tem sido, repetidamente, vítima de deslocamento forçado.